Última hora

Última hora

Shahenda "Collina", a mulher do apito

Em leitura:

Shahenda "Collina", a mulher do apito

Shahenda "Collina", a mulher do apito
Tamanho do texto Aa Aa

Mais uma tarde na cidade portuária de Alexandria, no Egito. Hoje, como noutros dias, há futebol. Mas este jogo tem uma particularidade. Ela é a mulher do apito. Mesmo se muitos reclamam por um amarelo, ou por uma falta mal marcada, muito dificilmente algum jogador lhe vai chamar nomes feios - afinal de contas, isso não se faz a uma senhora. Mesmo assim, numa sociedade machista, o trabalho não é fácil para Shahenda El Maghrabi, a primeira mulher a apitar jogos na liga profissional masculina de futebol, no Egito.

"Uma vez, os jogadores não aceitavam que uma mulher estivesse a apitar o jogo, sobretudo nos primeiros 15 minutos. Um jogador fez falta, eu adverti-o e ele ficou furioso. Virou a cabeça e cuspiu. Disse-lhe que não dissesse mais nenhuma palavra, ou nunca mais voltaria a jogar. Mostrei-lhe o cartão vermelho e ele ficou sem palavras. O treinador falou com ele e depois do jogo veio falar comigo, pediu desculpa pelo jogador e prometeu que seria castigado", conta a árbitra.

Um jogador fez falta, eu adverti-o e ele ficou furioso. Virou a cabeça e cuspiu. Disse-lhe que não dissesse mais nenhuma palavra, ou nunca mais voltaria a jogar.

Shahenda El Maghrabi Árbitra

Mesmo se alguns têm dificuldade em aceitar a autoridade de uma mulher em campo, nem todos pensam assim: "Não há discriminação entre homens e mulheres. É uma excelente árbitra e está a ser justa para ambas as equipas, não tem medo de castigar os jogadores de uma e de outra", diz um adepto.

Com determinação, talvez Shahenda "Collina", como é chamada em homenagem ao italiano Pierluigi Collina, um dos árbitros mais famosos de sempre, venha um dia a cumprir o sonho de apitar jogos do Campeonato Mundial.