Última hora

Última hora

Projeto lei polaco sobre crimes da Alemanha nazi submetido ao presidente

Em leitura:

Projeto lei polaco sobre crimes da Alemanha nazi submetido ao presidente

Projeto lei polaco sobre crimes da Alemanha nazi submetido ao presidente
Tamanho do texto Aa Aa

Está agora nas mãos do presidente da Polónia o futuro do projeto de lei aprovado nas duas câmaras do parlamento, que proíbe qualquer responsabilização do estado polaco pelos crimes cometidos pela Alemanha nazi durante a II Guerra Mundial e, em particular, o uso de frases como "campos da concentração polacos".

Aprovada na quinta-feira no Senado, a lei proíbe o uso da expressão "campos de concentração polacos" e qualquer acusação contra "o Estado polaco, ou a nação polaca, de responsabilidade ou cumplicidade nos crimes cometidos pelo Terceiro Reich alemão", salvaguardando uma excepção para trabalhos académicos ou artísticos. A pena prevista pode ir até três anos de prisão.

A iniciativa legislativa foi fortemente criticada pos políticos e média israelitas. Na quinta-feira, o Primeiro-ministro da Polónia, Mateusz Morawiecki, frisou que a intenção dos legisladores polacos é combater afirmações falsas sobre a participação do Estado polaco no sistema de extermínio alemão:

"Os campos de concentração onde milhões de judeus foram assassinados, não eram campos polacos. O Holocausto foi também uma inimaginável tragédia para a Polónia. Dos 6 milhões de cidadãos polacos que morreram durante a Segunda Guerra Mundial, 3 milhões vinham da comunidade judaica polaca", lembrou Morawiecki.

O principal partido da oposição, Plataforma Cívica, criticou a iniciativa da maioria parlamentar e apelou ao veto do presidente:

"Estamos convencidos que o presidente Andrzej Duda irá vetar este projeto de lei. Apelo a isso em nome da Plataforma Cívica e da opinião pública democrática na Polónia. Esperamos que o presidente faça isto o mais rápido possível, que não fique refém do partido Lei e Justiça", disse o vice-presidente da Plataforma Cívica, Tomasz Siemoniak.

Uma batalha com história

A questão não nasceu com o atual governo polaco. Quando em 2012 Barack Obama usou a expressão "campos de concentração polacos" o então primeiro-ministro – hoje presidente do Conselho Europeu – Donald Tusk, exigiu do presidente americano um pedido de desculpas.

Em maio de 2012, o governo de Tusk exigiu uma nota de retração da Casa Branca, depois de Barack Obama se ter referido a "campos de extermínio polacos" durante uma cerimónia de homenagem a um herói da Segunda Guerra Mundial, o polaco Jan Karski. O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, reiterou então em conferência de imprensa a afirmação anterior da administração, reconhecendo que Obama tinha cometido uma distorção da verdade ao usar aquela expressão no discurso:

"O presidente referia-se aos campos de extermínio nazis na Polónia ocupada pelos alemães", disse Carney, "E, como deixamos claro, lamentamos a distorção."

Obama reiterou o pedido de desculpas numa carta ao então presidente da Polónia, Bronisław Komorowski.

Entre 2008 e 2015, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Polónia tomou posição 913 vezes, na arena internacional, contra o uso da expressão "campos de concentração polacos".

Nur für Deutsche

A expressão "campos de concentração polacos" surgiu pela primeira vez nos anos 50, num dos títulos da imprensa alemã, disse à agência de notícias polaca PAP a historiadora do Instituto da Memória da Polónia (IPN, na sigla polaca) Anna Jagodzinska. Tratava-se de uma estatégia encorajada pelo primeiro chanceler da República Federal da Alemanha, Konrad Adenauer, com o objetivo de testar as reações. No quadro desta experiência, os autores alemães começaram a substituir os termos "alemão" ou "alemães" na referência aos crimes da II Guerra Mundial, por ""nazi" e "hitleriano". Ainda segundo a historiadora, o uso da expressão "campos de concentração polacos" passou a ser cada vez mais usado na imprensa alemã.

A historiadora recorda que durante a ocupação alemã, nos elétricos em Varsóvia estava afixada a inscrição "Nur für Deutsche" (Só para Alemães) e não "Nur für Nazi" (Só para Nazis).