Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Trump autoriza divulgação de relatório que abre 'guerra' com o FBI

Trump autoriza divulgação de relatório que abre 'guerra' com o FBI
Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump e o FBI estão em rota de colisão. O presidente dos Estados Unidos da América autorizou a divulgação de um memorando feito pelos republicanos da Comissão de Serviços Secretos da Câmara dos Representantes, liderada por Devin Nunes, que coloca em causa a imparcialidade e o uso dos poderes da polícia federal norte-americana.

Na origem desta polémica está a investigação às supostas ligações entre a campanha de Trump e a Rússia, conduzida pelo procurador Robert Mueller e sob a coordenação do procurador-geral adjunto, Rod Rosenstein.

Apesar da polémica instalada em torno da divulgação do documento, o presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Paul Ryan, já veio garantir que não se trata de um ataque ao FBI ou ao setor da justiça.

"O que isto não é é uma acusação sobre as nossas instituições, sobre o nosso sistema de justiça. Este memorando não é uma acusação ao FBI, ou ao Departamento de Justiça. Não impugna a investigação Muller ou o procurador-geral adjunto", frisou.

O Partido Democrata e o FBI já contestaram a divulgação do documento, por considerarem que manipula a informação e que visa descredibilizar a investigação, uma acusação que os republicanos recusam, embora não seja uma decisão consensual no próprio partido.

Paralelamente, a líder da minoria democrata na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, apela à saída de Devin Nunes da tutela da Comissão de Serviços Secretos.

"Eles vão divulgar um relatório falso, mas que alude a certos factos que são prejudiciais. E é por isso que o Departamento de Justiça e o FBI disseram que isso é perigoso, imprudente e não deve ser feito", explicou, deixando também no Twitter diversas publicações sobre o caso.

Donald Trump decidiu avançar com a divulgação do memorando para mostrar que os agentes do FBI foram tendenciosos e incorretos nas diligências realizadas sobre elementos da sua campanha presidencial.

Com a atual escalada mediática do caso, vários analistas defendem que o líder dos Estados Unidos quer essencialmente expor a existência de motivações políticas neste processo.

O braço de ferro entre Trump e o FBI está assim para continuar.