Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ciberataque NotPetya: Estados Unidos responsabilizam Rússia

Ciberataque NotPetya: Estados Unidos responsabilizam Rússia
Tamanho do texto Aa Aa

Washington responsabiliza Moscovo pelo ciberataque de 2017 que classifica como "o mais destrutivo e dispendioso da história."

O ataque informático lançado em junho do ano passado contra a Ucrânia e que depois de estendeu à Ásia e América foi, pode ler-se, "mais um esforço do Kremlin para destabilizar Kiev e para demonstrar, com maior clareza, o envolvimento da Rússia no conflito."

O Reino Unido, também, aponta o dedo à Rússia "Os alvos eram os setores financeiro e energético da Ucrânia, bem como o Governo" refere o Governo britânico.

Certo é que o ciberataque acabou por atingir outros negócios. O vírus propagado acabou por afetar empresas de eletricidade, petróleo, gás, transportes e logística.

A posição do Reino Unido foi tornada pública esta quinta-feira. Londres limita-se, no entanto, a abordar o impacto na Europa.

A Rússia diz que as acusações não têm fundamento e fala de uma campanha para denegrir a imagem do país.