EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Sobrevivente lembra tragédia do rio Evros

Sobrevivente lembra tragédia do rio Evros
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Fatih Yasar é o sobrevivente da tragédia onde três crianças e respectivos pais perderam a vida nas águas geladas do rio Evros quando tentavam fugir da Turquia para a Grécia.

PUBLICIDADE

Ele é o sobrevivente da tragédia do rio Evros. Fatih Yasar reza pelas três crianças e respetivos pais que, a 13 de fevereiro, perderam a vida nas águas geladas do rio que é uma fronteira natural entre a Grécia e a Turquia.

Casado e pai de um menino de 2 anos, o estudante de pós-graduação e empresário, depois da tentativa de golpe na Turquia foi acusado de Gulenista e ficou preso durante 14 meses. Foi libertado em novembro e acabou por decidir fugir do país.

Naquela noite de fevereiro, seguindo as indicações de contrabandistas, nove pessoas, sem colete salva-vidas, entraram num pequeno barco insuflável. Queriam fugir da Turquia e de Erdogan. A poucos metros da margem grega, o barco virou-se.

"Tudo aconteceu muito rapidamente. Nem percebi o que se estava a passar. Quando caímos à água, estava tão frio que parecia que me espetavam flechas no coração. Não me conseguia mexer. A água fria era insuportável. Até engoli água algumas vezes. Quando o barco se estava a afundar, só ouvi uma voz a gritar "Oh meu Deus". ", revelou Fatih Yasar.

A luta para salvar vidas tinha começado. A corrente forte arrastava-os. Com uma mão Fatih consegue agarrar-se a um ramo enquanto, com a outra, pega a mão de alguém.

"Eu estava a chorar. Continuava a pensar que não era capaz de salvar a vida das crianças. Essas crianças podiam ser o meu filho. Momentos atrás estávamos todos juntos e eu tinha uma das crianças nos meus ombros. Mas... e agora?", relembra Fatih Yasar.

As buscas realizadas pelas autoridades turcas permitiram recuperar três corpos, entre os quais os de duas crianças de 11 e 3 anos. Quatro pessoas continuam desaparecidas.

"Estas viagens trazem inúmeros perigos mas não há alternativa para estas pessoas. No seu país, foram estigmatizados como Gullenistas e para eles não há futuro lá. Os turcos anti-Erdogan, que conseguiram fugir, temem pela segurança das famílias que deixaram na Turquia," acrescenta o jornalista da Euronews, Michalis Arampatzoglou.

Partilhe esta notíciaComentários