EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

O testemunho de quem vive e trabalha em Ghouta

O testemunho de quem vive e trabalha em Ghouta
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O medo e a falta de medicamentos são dois dos problemas com que se depara a organização Médicos Sem Fronteiras a operar no enclave rebelde sírio

PUBLICIDADE

A organização Médicos Sem Fronteiras faz o que pode para dar resposta aos pedidos de ajuda em Ghouta, na Síria. Os bombardeamentos atingiram 13 unidades hospitalares, duas ficaram reduzidas a escombros. Amaury Gregoire da MSF conta em que condições vive e trabalha, por estes dias, na região.

"A situação é muito difícil e já era complicada desde novembro, altura em que a violência se reinstalou. A situação já era difícil em dezembro e no início de fevereiro. Há dias, assistimos a um enorme fluxo de feridos nos hospitais onde prestamos ajuda. Há informações que dão conta de 1285 feridos e 237 mortos nas estruturas onde estamos presentes.

A capacidade de resposta diminui consideravelmente e o medo das equipas médicas aumentou. Várias estruturas foram atingidas durante os bombardeamentos e isso aumentou o medo de quem trabalha em estruturas que não foram atingidas. Falo tanto dos profissionais e como dos doentes que foram transferidos para as caves dos hospitais.

Há um enorme problema com o abastecimento e acesso aos medicamentos, que é uma das principais necessidades. O stock que, atualmente, nos permite manter a funcionar determinadas estruturas está diminuir drasticamente e há material médico hospitalar que deixamos de ter" afirma.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria

Duas crianças entre os seis mortos após bombardeamentos de Assad em Idlib

Síria: Confrontos em Deir Ezzor deixaram mais de 150 mortos e dezenas de feridos