Última hora

Última hora

Igualdade de Género: Entrevista com Virgija Langbakk

Em leitura:

Igualdade de Género: Entrevista com Virgija Langbakk

Igualdade de Género: Entrevista com Virgija Langbakk
Tamanho do texto Aa Aa

EURONEWS: Senhora Langbakk, obrigada por estar connosco. Vimos na nossa reportagem que as leis e a educação podem ajudar ao progesso na igualdade de género. Acha que um aspeto pode ser mais importante do que o outro?

VIRGINIJALANGBAKK: As leis estabelecem as normas básicas, o que permite a ligação entre Direitos das Mulheres e Direitos Humanos. Se tivermos as normas, podemos controlar comportamentos. E podemos fazer com que as leis sejam cumpridas, por exemplo, pelos Governos. Algo que seria mais difícil de fazer sem leis. A educação tem mais a ver com mentalidades, com uma mudança no comportamento. É um processo mais longo. Tem a ver com a vida, com a nossa vida, em casa e no trabalho. E ambos domínios são importantes para a igualdade de género.

EURONEWS: O que pensa, por exemplo, das quotas para mulheres?

VIRGINIJALANGBAKK: Não sabemos ainda qual é o impacto real da medida nos países onde foi implementada. Não podemos ainda avaliar o efeito. Mas o que sabemos até agora, se analizamos países como Itália ou Eslovénia, é que, com a introdução de quotas, a evolução foi importante. E os debates foram intensos. As quotas fazem com que as pessoas reflitam. Sei que, em algumas companhias, especialmente no mundo dos negócios, alguma sempresas preferem pagar multas em vez de acomodarem mais mulheres. Tentam encontrar desculpas. Mas as quotas fazem com que as pessoas pensem no estado das coisas e costumam fazer com que haja algum progresso.

EURONEWS: Alguns analistas defendem que a igualdade de género é mais fácil de implementar em países escandinavos, graças a uma cultura e história específicas.

VIRGINIJALANGBAKK: Não me parece que história tenha criado uma situação específica no caso dos países nórdicos, porque tiveram os mesmos desafios que os outros países. As mulheres não podiam votar, depois tiveram esse direito, depois houve as guerras mundiais. As mulheres começaram depois a trabalhar. E claro que o movimento pelos Direitos das Mulheres é importante. Mas há movimentos pelos Direitos das Mulheres noutros países. A forma como os países nórdicos chegaram à igualdade de género é seguida pela União Europeia. É um modelo que tem sido imitado.

EURONEWS: A seu ver, quais são os desafios mais importantes, as batalhas a travar, no sentido de chegar à igualdade de género na União Europeia?

VIRGINIJALANGBAKK: O aspeto onde a desigualdade de género mais tem vindo a agravar-se é na forma desigual como ocupamos o nosso tempo fora do trabalho. Na família, em casa e com os mais velhos. Há realmente diferenças enormes neste setor. Podemos dizer que há alguns homens na União Europeia ajudam uma hora em casa, em trabalho que não é pago. Mas a maioria não faz nada. Outro problema continua a ser o emprego, porque temos ainda grandes diferenças nas pensões, que é o resultado das políticas de emprego. Mesmo os empregos continuam a criar diferenças nos salários. Outra área que deve ser alvo de atenção é a violência exercida sobre as mulheres.

EURONEWS: Acha que existe uma divisão na União Europeia, entre o norte, o sul, o oeste e o leste. Ou é algo demasiado simplista?

VIRGINIJALANGBAKK: Sim, parece-me uma divisão demasiado fácil ou simplista, dizer que podemos dividir as coisas assim. A Bulgária está entre os países com mulheres a trabalhar em novas tecnologias. Se nos referimos ao sul, pensamos na Espanha, que faz um trabalho muito importante na violência contra as mulheres. Têm multiplicado as políticas nesse sentido e têm muitas medidas. E a Itália tomou medidas para aumentar a presença das mulheres na política.