EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UNICEF pede ajuda para 720.000 crianças Rohingya

UNICEF pede ajuda para 720.000 crianças Rohingya
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cerca de 534 mil crianças vivem em "situação muito difícil" em campos insalubres e superlotados, naquele país, e estimou que mais de 185 mil permanecem ainda no estado de Rhakine na antiga Birmânia, sujeitas à violência e à negação dos seus direitos mais básicos, informou a UNICEF.

PUBLICIDADE

A UNICEF pede ajuda para proteger mais de 720 mil crianças Rohingya durante a temporada das monções

O representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância no Bangladesh, Edouard Beigbeder, informou, esta sexta-feira, que cerca de 534 mil crianças vivem em "situação muito difícil" em campos insalubres e superlotados, naquele país, e estimou que mais de 185 mil permanecem ainda no estado de Rhakine na antiga Birmânia, sujeitas à violência e à negação dos seus direitos mais básicos.

Com a chegada das monções ao sudeste asiático, a situação pode piorar.

"Se um ciclone atravessar o campo, que se tornou a quarta maior cidade, uma cidade de de bairros da lata do Bangladesh, podemos ter enfrentar uma situação muito difícil", afirma Beigbeder.

A UNICEF pediu ao Governo do Bangladesh que atribua o estatuto de refugiados, aos Rohingyas, de modo a facilitar a deslocalização das pessoas.

Estima-se que mais de 700 mil Rohingyas tenham atravessado a fronteira entre o Myanmar e o Bangladesh desde o final de agosto do ano passado.

Todas as semanas chegam mais, como confirma o porta-voz da UNICEF, Simon Ingram: "Creio que se estamos à procura de um indicador da situação no terreno: as pessoas continuam, ainda a chegar ao Bangladesh, algo como mil ou mais por semana. Acredito que esse número fala por si, sobre a situação no terreno, a ansiedade, o medo, a contínua ameaça que a violência tem sobre essas pessoas, essas comunidades".

Esta sexta-feira, a organização não-governamental Human Rights Watch pediu ao Governo birmanês para parar a demolição das aldeias Rohingyas abandonadas.

O êxodo desta minoria étnica começou no final de agosto de 2017 durante a operação militar no estado de Rhakine, no oeste do Myanmar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE: uma em cada quatro crianças em risco de pobreza

Uma em cada seis crianças no norte da Faixa de Gaza sofre de desnutrição grave

Doenças em Gaza "podem matar mais do que a guerra", diz responsável