EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O que mudou depois de Dunblane

O que mudou depois de Dunblane
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O tiroteio em Dunblane, a cerca de 50 quilómetros de Edimburgo, na Escócia, em 1996 contribuiu para mudar a lei sobre a compra e a venda de armas

PUBLICIDADE

Armar os professores das escolas dos Estados Unidos não vai acabar com os tiroteios, nem com as mortes nos estabelecimentos de ensino do país.

Pelo menos é o que defende o pai de uma das crianças que perdeu a vida na escola primária de Dunblane, na Escócia, em 1996.

Sophie North, de cinco anos, estava no ginásio quando o escocês Thomas Hamilton entrou a disparar. 16 crianças e uma professora morreram. Para o pai de Sophie, a situação não teria sido diferente se os docentes tivessem uma arma.

"Se olharmos para o que aconteceu em Dunblane, tínhamos três professores a tomar conta de uma turma num ginásio. Se estivessem armados não teriam tido tempo para reagir porque foram surpreendidos e é isso que esses atacantes têm, o elemento surpresa. Os professores não vão estar a guardar a porta, estão lá para ensinar, não serão capazes de disparar uma arma. Além disso, é horrível pensar que as crianças estão a crescer e a ser educadas para este tipo de situações" refere Mick North.

O tiroteio em Dunblane levou o Reino Unido a adotar de uma lei mais restritiva para a compra e venda de armas. Muitos justificam a mudança na legislação com a pressão exercida pela sociedade civil, outros pelo poder político.

Nos Estados Unidos, a questão está longe de ser consensual.

"Lembrem-se que a responsabilidade é, sobretudo, de quem faz as leis, dos políticos e não, apenas, da NRA, National Rifle Association. Na verdade, eles não deveriam ter qualquer responsabilidade para com a Associação Nacional de Armas. Deviam ter, sim, em relação aos cidadãos que deviam proteger reduzindo o número de armas em circulação" acrescenta North.

O mais recente tiroteio numa escola secundária dos Estados Unidos provocou 17 mortos. Centenas de alunos e professores manifestaram-se dias depois exigir maiores restrições à posse de armas. Donald Trump já fez saber que não pretende ceder. Em contrapartida, anunciou que pretende proibir equipamentos que permitam transformar armas semiautomática em metralhadoras.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin pode mudar a doutrina de armas nucleares da Rússia

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

Polónia: Explosão em fábrica de armamento provoca 1 morto