Londres envia recados a Bruxelas

Londres envia recados a Bruxelas
Direitos de autor REUTERS/Leon Neal/Pool
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Recados de Londres para Bruxelas. Theresa May diz que relação comercial entre Reino Unido e União Europeia tem de ser equilibrada e que as duas partes têm grandes responsabilidades na manutenção da paz na Irlanda do Norte.

PUBLICIDADE

Mensagens claras de Theresa May, dirigidas a Bruxelas, no discurso proferido, pela primeira-ministra, sexta-feira, em Londres. A chefe do executivo britânico mostrou-se confiante de que o Reino Unido pode sair do Brexit como uma nação mais forte e coesa e de que a saída do país da União Europeia marca um novo começo e uma nova relação entre ambos, benéfica para ambas as partes.

A chefe do executivo britânico frisou que é importante que o Brexit não pode pôr em causa os progressos alcançados para a paz na Irlanda do Norte e afirmou que a Grã-Bretanha e a UE têm a responsabilidade conjunta de encontrar uma solução para evitar a criação de uma fronteira física entre as duas Irlandas.

Para isso, frisou a chefe do executivo, tem de existir uma nova relação comercial "justa" e "aberta", que seja benéfica, equilibrada, entre os dois lados. May frisou que é preciso um mecanismo de arbitragem independente para regular os vínculos comerciais que vão ser criados. E ressalvou que com o acordo final do "Brexit", a jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça sobre território britânico tem de terminar.

May afirmou que, no futuro, quer negociar com os "amigos" europeus mas novos acordos, o que não significa que Reino Unido e União Europeia tenham de reger-se pelas mesmas leis para atingirem os mesmos resultados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo