A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Trump aumenta taxas de importação de metais

Trump aumenta taxas de importação de metais
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump anunciou que vai impor taxas às importações de aço e alumínio, para apoiar os produtores norte-americanos e aumentar o número de postos de trabalho.

O Presidente dos Estados Unidos da América quer que seja imposta uma taxa de 25% sobre as importações de aço e 10% sobre o alumínio, a partir da próxima semana.

O anúncio foi feito na Casa Branca durante um encontro com executivos de empresas produtoras e transformadoras dos dois metais.

"Novamente, o que foi permitido durante décadas é vergonhoso. É vergonhoso. Quando se chega a um ponto em que nosso país não pode produzir alumínio e aço, tal como alguém já o disse anteriormente, e eu também o digo, não se tem um grande país. Porque sem aço e alumínio o país não é o mesmo," afirmou Donald Trump.

Depois das declarações de Trump, Wall Street registou uma queda acentuada, com os investidores receosos com possíveis retaliações dos parceiros comerciais norte-americanos.

A medida procura atingir as importações de metais da China, contudo acaba por afetar parceiros norte-americanos como o Canadá e Estados Europeus.

Alguns analistas antecipam uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a Europa.

De recordar que o aumento da produção externa, especialmente chinesa, levou à diminuição dos preços, o que afetou os produtores norte-americanos e criou uma situação que o Departamento do Comércio diz representar uma ameaça à segurança nacional.

A imposição de taxas, que pode aumentar a tensão entre os Estados Unidos e a China, leva a que os críticos da medida temam que outros países retaliem ou utilizem a segurança nacional como pretexto para a criação de taxas semelhantes.

A decisão é também criticada devido ao expectável aumento dos preços, que prejudicará as construtoras de automóveis do país e outras empresas que usem aço ou alumínio.

.