UE ajuda Ucrânia a anular suspensão do gás russo

UE ajuda Ucrânia a anular suspensão do gás russo
Direitos de autor Mykhailo Markiv/Ukrainian Presidential Press Service/Handout via REUTERS
De  João Paulo Godinho com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Gazprom suspendeu o abastecimento à companhia ucraniana, deixando o país em défice e a precisar de encontrar soluções para manter o fornecimento à população.

PUBLICIDADE

O abastecimento de gás está a provocar um novo braço de ferro na tensa relação entre Rússia e Ucrânia.

Depois da decisão desta semana do tribunal arbitral de Estocolmo, que condenou a empresa russa Gazprom a pagar mais de dois mil milhões de euros aos ucranianos da Naftogaz, a Gazprom decidiu suspender o abastecimento de gás ao país vizinho, quando este enfrenta uma vaga de frio e as temperaturas rondam os -15º centígrados.

Em causa esteve um suposto défice no abastecimento de gás contratualizado entre as duas companhias, com a Gazprom a não cumprir o que estaria definido. 

A decisão levou mesmo a Ucrânia a fechar provisoriamente as escolas até dia 06 de março e a procurar alternativas. A solução veio da Europa, com o presidente ucraniano Petro Poroshenko a garantir que o défice de gás já foi anulado com o aumento das remessas europeias.

"Temos hoje um aumento drástico de entregas de gás da União Europeia: da Polónia, da Eslováquia e da Hungria. Por isso, todo o défice - a esta hora que falamos - está totalmente coberto", assegurou.

As relações entre os dois países estão muito deterioradas desde 2014, ano da anexação da Crimeia pela Rússia.

No entanto, o diferendo entre as companhias de gás é ainda mais antigo, contando profundas disputas comerciais desde 2006.

A polémica vai continuar nos tribunais, já que as duas empresas anunciaram que vão lutar pelos respetivos direitos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia declara correspondente da BBC de “agente estrangeiro”

Um morto e doze feridos em ataque russo a Poltava na Ucrânia

Blinken: "É essencial enviar mais armas para a Ucrânia"