Última hora
This content is not available in your region

Mulheres guineenses pedem criminalização do assédio sexual

Mulheres guineenses pedem criminalização do assédio sexual
Tamanho do texto Aa Aa

Com Lusa

A Rede Nacional de Jovens Mulheres Líderes da Guiné-Bissau pediu, esta quinta-feira, ao parlamento do país para criminalizar o assédio sexual.

"É importante e urgente que a legislação guineense dê uma mensagem de que há comportamentos que não são aceitáveis, mas não é só a criminalização que resolve. São precisas medidas de educação e proteção da vítima", afirmou Fatumata Sane, presidente daquela associação.

Para Sane, é preciso também acabar com os abusos focados na mutilação genital feminina, casamento infantil e violência doméstica. "Este é o momento de parar de punir as mulheres pela sua sexualidade" e ensinar os homens a deixarem de se sentir ameaçados "pela presença do sucesso das mulheres", declarou.

Polícias guineenses sensibilizados para os direitos das mulheres

As mulheres guineenses representam cerca de 54% dos 1,7 milhões de habitantes deste país, onde mais de uma centena de militares e polícias têm recebido, desde fevereiro, formação sobre direitos das mulheres e igualdade do género.

A iniciativa arrancou a 20 de fevereiro e percorreu todas as regiões do país, terminando na quinta-feira em Bissau com um último grupo de 35 elementos das Forças Armadas, Guarda Nacional e Polícia de Ordem Pública.

No final de 2017, as forças de defesa da Guiné-Bissau recrutaram mais 820 elementos para as suas fileiras, dos quais 178 do sexo feminino.

Promoção da autonomia feminina

A União Europeia e um grupo de organizações não-governamentais apresentaram recentemente em Bissau um projeto-piloto para garantir o respeito pelos direitos das mulheres através da promoção da autonomia feminina a nível socioeconómico e da melhoria do acesso aos canais de denúncia da violência.

Os Indicadores Múltiplos da ONU, de 2014, indicam que 37% das meninas com idade inferior a 18 anos, e 7% com idade inferior a 15 anos, foram obrigadas a casar na infância.

Os mesmos dados indicam que 6 em cada 10 dessas meninas tinham um marido 20 anos mais velho.