Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Donald Trump aceita convite para um encontro com Kim Jong-un

Donald Trump aceita convite para um encontro com Kim Jong-un
Direitos de autor
KCNA via Reuters/ Lucas Jackson
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente dos Estados Unidos aceitou o convite do líder da Coreia do Norte para um encontro.

O convite chegou a Washington pelo enviado especial da Coreia do Sul, o chefe respetiva da Segurança nacional, Chung Eui-yong.

A porta-voz da Casa Branca confirmou a abertura do Presidente americano "para se encontrar com Kim Jong-un em local e numa data ainda por determinar."

"Temos uma grande esperança na desnuclearização. Entretanto, toda as sanções e a máxima pressão devem ser mantidas", afirmou Sarah Sanders.

Dennis Rodmann elogia Trump

"Muito bem, senhor Presidente. Está a caminho de um encontro histórico que nenhum outro presidente dos EUA teve. Por favor, envie os meus cumprimentos ao marechal Kim Jong e à sua família", afirmou, num contacto telefónico com a Associated Press, o lendário basquetebolista Dennis Rodmann, um dos poucos norte-americanos a ter viajado várias vezes para a Coreia do Norte nos últimos anos e a confraternizar com o respetivo líder pelo menos em 2013 e 2014.

O "aperto de mão do ano" deverá ocorrer em maio, em local ainda por designar, num encontro cujo objetivo traçado em Washington será o de garantir uma "permanente desnuclearização" na península.

"Kim Jong-un prometeu que a Coreia do Norte vai abster-se de realizar novos testes nucleares ou de mísseis. Percebe que a rotina de exercícios militares entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos tem de continuar e expressou um grande desejo de conhecer o Presidente Trump tão breve quanto possível. A Coreia do Sul, os Estados Unidos e os nossos aliados insistem na importância de não se repetirem os erros do passado", afirmou Chung Eui-yong, em Washington.

Pelo Twitter, Donald Trump considerou um "grande progresso" o facto do líder norte-coreano admitir parar o programa nuclear. Sublinhou a ausência de testes de mísseis pela Coreia do Norte "neste período de tempo".

O Presidente americano acrescenta que as "sanções [a Pyongyang] se vão manter até que um acordo seja alcançado" e confirmou que "um encontro está a ser agendado" entre ambos.

O convite chegou a Donald Trump após a recente aproximação histórica entre as duas Coreias nos jogos Olímicos de Inverno em Pyongchang, na Coreia do Sul.

Uma primeira reunião decorreu já em Pyongyang.

O encontro entre Donald Trump e Kim Jong-un poderá marcar uma grande reviravolta na tensão que vinha a agravar-se na península coreana, sobretudo devido aos alegados testes nucleares realizados pela Coreia do Norte e reforçada recorrentes ameaças aos Estados Unidos.

Os mercados reagiram com otimismo à recetividade de Trump em encontrar-se com o líder da Coreia do Norte. Em especial na Ásia, o que impulsionou o valor do petróleo, que chegou aos 63,95 dólares/ barril.