Última hora

Última hora

"A Rússia não teme nada", diz Chizhov sobre sanções no caso Skripal

"A Rússia não teme nada", diz Chizhov sobre sanções no caso Skripal
Tamanho do texto Aa Aa

O envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e da sua filha na cidade britânica de Salisbury pode afetar seriamente as relações da Rússia com a Grã-Bretanha e a União Europeia. Para debater o tema, o correspondente da euronews em Bruxelas, Andrei Beketov, entrevistou o representante permanente da Rússia para a União Europeia, Vladimir Chizhov.

"Este não é o primeiro caso de mortes estranhas no Reino Unido"

Vladimir Chizhov Embaixador da Rússia para a União Europeia

euronews: Alega-se que foi usado no território da União Europeia um o gás de nervos de origem russa.

Vladimir Chizhov: Desculpe, mas saber de que território veio este veneno não está claro e o governo russo não recebeu dados objetivos sobre isso, apesar de os ter solicitado, desde o primeiro dia, ao governo britânico.

euronews: Não vamos fugir ao assunto. O envenenamento foi levado a cabo por um agente russo. A Grã-Bretanha teve de reagir porque, neste caso concreto, uma arma de destruição em massa foi utilizada no território britânico.

RTR/via Reuters
Sergei Skripal detido na RússiaRTR/via Reuters

Vladimir Chizhov: Este não é o primeiro caso de morte estranha de imigrantes russos, de cidadãos russos e de cidadãos britânicos em território britânico. Aparentemente, esse é o tipo de ambiente que por lá se vive....

euronews: Mas a polícia da Scotland Yard forneceu provas e um tribunal condenou um cidadão russo por participar na tentativa de homicídio de outro espião, Alexander Litvinenko.

Vladimir Chizhov: Lembro-me bem desse caso, não foi há muito tempo. Foi aberta uma investigação, mas assim que a Rússia se ofereceu para ajudar nessa investigação, o caso foi imediatamente classificado como secreto. Quais as provas que o tribunal britânico validou para chegar ao veredicto é algo que não conhecemos. Assim como não sabemos o resultado da investigação sobre a morte, também muito estranha, de Boris Berezovsky, bem como Alexander Perepilichny, que saiu para uma corrida matinal e morreu inesperadamente. Mais recentemente, também em circunstâncias estranhas, morreu um dos cúmplices de Berezovsky no caso Aeroflot, Nikolay Glushkov. Tudo no território britânico. Esta realidade é que talvez devesse ser analisada pela justiça britânica.

euronews: Pode ler-se nas suas palavras uma maior pressão sobre o Reino Unido, país que está de saída União Europeia e que, com essa decisão, causa o enfraquecimento do país e da própria União Europeia?

Vladimir Chizhov: Espero que a situação atual não me torne num firme defensor de um Brexit duro! Até o Brexit estar concluído, quaisquer sanções económicas que o lado britânico queira impor têm de ter o apoio da União Europeia. Isso também se aplica a outro tipo de medidas que as autoridades britânicas possam estar a ponderar contra a Rússia.

euronews: Os EUA poderiam sair em defesa da Grã-Bretannha. O secretário de Estado, Rex Tillerson, deixou o cargo. Tinha uma posição mais dura em relação à Rússia do que outros membros da administração norte-americana no que toca ao caso Skripal. Sentiu alívio com a partida deste falcão?

Vladimir Chizhov: Eu ainda não acredito que ele tenha perdido o lugar do secretário de Estado por causa deste episódio. E não tenho motivos para esperar uma abordagem mais suave por parte do seu sucessor".

euronews: Voltemos ao Reino Unido que, com certeza, vai aplicar algum tipo de sanções. Tem receio disso?

Vladimir Chizhov: A Rússia não teme nada. Lamentamos, sim. Lamento o debate que aconteceu no Parlamento britânico, as declarações oficiais que vão sendo feitas, em vez de se tentar resolver esta situação, em vez de se convidar a Rússia para a investigação.

euronews: Nos últimos anos, foram feitas acusações contra a Rússia em várias áreas a nível internacional que vão desde doping no desporto até seja interferência nas eleições, passando pela anexação de território estrangeiro ...

Vladimir Chizhov: E até acusam a Rússia de ter organizado o referendo sobre o Brexit!

euronews: Sim, algumas pessoas suspeitam de interferência nesse caso, bem como no do referendo sobre a independência da Escócia. São várias acusações que se acumularam e que tornaram agora mais fácil acusar a Rússia neste caso particular.

Vladimir Chizhov: E o desembarque de Guilherme, o Conquistador, em 1066, também foi planeado pelo Kremlin?

euronews: O que a Rússia pode fazer para evitar essa situação?

Vladimir Chizhov: O caminho é muito simples, é o da cooperação na luta contra os nossos inimigos comuns: o terrorismo internacional e o crime transnacional.