Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A medicina do espaço que pode ser útil na terra

A medicina do espaço que pode ser útil na terra
Tamanho do texto Aa Aa

Nesta edição de Space, vamos falar de saúde espacial. No espaço, os astronautas vêm o nascer e o pôr-do-sol dezasseis vezes por dia. Em órbita, o corpo muda, ao longo das semanas e dos meses. Os astronautas perdem massa muscular e óssea e sofrem de vários problemas de saúde.

"Não vamos para o espaço para ver a beleza da paisagem. Não somos turistas. Quem faz carreira de astronauta fá-lo pela ciência, pela tecnologia e para manter a estação espacial", contou Luca Parmitano, astronauta da Agência Espacial Europeia (AEE).

Em Berlim, os investigadores da Charité Universitätsmedizin desenvolveram um sensor para monitorizar a temperatura do corpo dos astronautas.

"Queremos medir a temperatura no cérebro, porque o cérebro é o órgão mais importante, não apenas para os astronautas, mas para toda a gente", explicou Hanns-Christian Gunga, professor de fisiologia, na Charité – Universitätsmedizin Berlin.

Os investigadores descobriram que os astronautas que fazem exercício todos os dias têm uma temperatura corporal mais elevada no espaço do que na terra.

"O cérebro é muito vulnerável às mudanças de temperatura. É necessário mais tempo para reconhecer ou seguir algo ou para tomar decisões cognitivas quando a temperatura do cérebro é mais elevada", afirmou Hanns-Christian Gunga.

Os investigadores estão a adaptar os sensores para um uso na terra. O equipamento poderá ser útil para os bombeiros e para a recuperação pós-operatória.

"Precisamos de equipamentos não invasivos, fáceis de usar, leves, robustos e que funcionem com uma bateria. Foi o que desenvolvemos para os astronautas no espaço", acrescentou Hanns-Christian Gunga.

As dores de costas dos astronautas

A vida do espaço pode parecer um sonho mas comporta vários problemas. Cerca de metade dos astronautas queixam-se de dor de costas, um problema igualmente comum na Terra.

"Senti a minha coluna alongar-se em órbita porque os músculos contraíam-se constantemente. Sentia uma dor forte nas costas. Quando regresso é o contrário. Os músculos das costas, a musculatura fina em torno da coluna não ficam tão fortes. É muito difícil treinar esses músculos", contou o astronauta Luca Parmitano.

No norte de Inglaterra, na Northumbria University, os investigadores estão a tentar encontrar uma solução para a dor nas costas dos astronautas. Desenvolveram uma forma de estimular os músculos internos à volta da coluna através de um aparelho específico.

"Neste momento, a nossa voluntária está a fazer exercício no nosso aparelho de exercícios de readaptação funcional, a que chamamos FRED. O FRED permite exercitar a coluna em profundidade e treinar os músculos que permitem uma boa postura", explicou Andrew Winnard, professor de Biomecânica na Universidade Northumberland.

O exercício envolve as ancas, as pernas e os pés. Não é tão simples como parece porque o mecanismo de resistência da máquina foi retirado.

"Como não há resistência ao movimento como numa máquina de treino normal, a Kirsty tem de criar um movimento de resistência com as pernas. A perna da frente vai para baixo com a gravidade enquanto a perna de trás resiste ao movimento da perna da frente para não ir para baixo ", explicou Nick Caplan, professor de medicina espacial e reabilitação, na Universidade Northumbria.

Os investigadores querem enviar uma máquina similar para a Estação Espacial Internacional. O aparelho está igualmente a ser testado em pessoas que sofrem de dores de costas na terra, em Newcastle.

"Esperamos que o trabalho que estamos a desenvolver com o aparelho possa ajudar a melhorar a reabilitação das pessoas que têm dores na parte de baixo da coluna devido às más posturas ligadas ao trabalho sedentário", diz Andrew Winnard, professor de biomecânica na Universidade Northumberland.

A Telemedicina no espaço

A Estação Espacial Internacional recebe astronautas há duas décadas, o que tem favorecido a inovação na área da saúde, nomeadamente no domínio da Telemedicina.

No centro técnico da Agência Espacial Europeia (AEE), na Holanda, está a ser testado um protótipo que permite ao médico utilizar o aparelho de ultrassons que se encontra na Estação Espacial Internacional.

"O astronauta vai poder colocar o aparelho no corpo na posição certa para se obter uma imagem. À distância, o médico controla os movimentos da sonda colocando-a na posição que lhe convém para obter a imagem desejada", explicou Arnaud Runge, engenheiro em biomedicina, da AEE.

A investigação médica no espaço abrange uma grande variedade de áreas, das ciências cognitivas à farmacêutica.

Os astronautas são uma combinação perfeita entre voluntários para uma pesquisa científica e assistentes de investigação.

"Sabemos exatamente o que eles comem e que exercícios fazem e conhecemos os padrões de sono. Por isso os astronautas são uma população em relação à qual controlamos os diferentes fatores de variação, o que não acontece normalmente com a população da terra", frisou Nick Caplan.

As condições específicas de vida no espaço, que levam ao enfraquecimento dos músculos e dos ossos e a modificações nas células e nos órgãos, permitem ao mesmo tempo, fazer experiências inovadoras.

"Há apenas uma coisa que é impossível eliminar na Terra, é a aceleração em direção ao centro da terra, a gravidade. Em órbita, podemos fazer investigação científica removendo essa aceleração específica. Apesar de ser a mesma ciência, os resultados serão sempre diferentes", afirmou o astronauta Luca Parmitano.

Os resultados da investigação no espaço fornecem informações preciosas sobre a fisiologia humana, que podem ser úteis para as próximas gerações.

"As tecnologias que poderão manter os astronautas em boa saúde durante as viagens a Marte poderão ser usadas pelos nossos filhos e netos", considerou Arnaud Runge.

Ao longo do seu processo evolutivo, a humanidade não foi preparada para viver em órbita, mas a vida no espaço é uma oportunidade de aprendizagem que pode beneficiar a vida na terra.

As perguntas dos internautas

Todos os meses, em Space, damos resposta às perguntas dos espetadores, colocadas através do hashtag #AskSpace".

Paul McNamara, médico da Agência Espacial Europeia, respondeu às perguntas da edição de março de Space.

Rasty Salah gostaria de saber se há provas da existência de um multiverso e se as leis da física se aplicariam da mesma forma a esse multiverso.

"É uma excelente questão. O multiverso é uma teoria que diz que há várias bolhas de universos. E, segundo a teoria do big bang, há um período chamado inflação em que o universo cresce exponencialmente, a uma velocidade superior à da luz. Há uma teoria que diz que se trata de um processo eterno, que continua a acontecer e que de vez em quando, há uma bolha que é criada e essa bolha é um novo universo. Então poderia haver muitos universos a surgir", afirmou Paul McNamara.

​Dmytro Petukhov perguntou-nos se há provas sobre o que aconteceu antes do Big Bang.

"Outra excelente pergunta. Há vários cientistas à procura de uma resposta. Podemos tentar ver se a inflação é real através das ondas gravitacionais. Atualmente, temos uma missão chamada LISA, Antena Espacial de Interferómetro a Laser. Um dos objetivos é observar essas ondas gravitacionais primordiais, o que poderá dar-nos informações sobre a origem do universo", considerou o médico da AEE.