Dilma diz que "não há plano B" e Lula será candidato

Dilma diz que "não há plano B" e Lula será candidato
Direitos de autor REUTERS/Pilar Olivares
De  Miguel Roque Dias com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A antiga presidente do Brasil garantiu que serão esgotados todos os esforços para inocentar Lula, mesmo depois de o Tribunal Regional Federal de Porto Alegre ter rejeitado o recurso da defesa do ex-chefe de Estado, que foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção.

PUBLICIDADE

"Não há plano B". Luiz Inácio Lula da Silva será o candidato do Partido dos Trabalhadores às eleições presidenciais, em outubro.

Quem o afirma é Dilma Rousseff. A antiga presidente do Brasil garantiu que serão esgotados todos os esforços para inocentar Lula, mesmo depois de o Tribunal Regional Federal de Porto Alegre ter rejeitado o recurso da defesa do ex-chefe de Estado, que foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção.

Dilma garante: "nós vamos esgotar todas instâncias, todas as ações. Nós não achamos que tem Plano B. Nós, atualmente, trabalhamos só com um: o plano Luiz Inácio Lula da Silva para presidente"

Dilma condenou, ainda, os atos hostis contra a caravana de Lula da Silva, no sul do país, e afirmou que teme "um banho de violência" durante a corrida presidencial.

Por seu lado, Lula afirmou que, depois do "golpe", como classificou a destituição de Dilma Rousseff, a democracia no Brasil "não é a regra, mas a exceção".

O ex-presidente afirmou que cabe à justiça provar a sua culpa.

"Eu não quero provar a minha inocência. Eu quero que eles digam ao povo brasileiro que crime é que eu cometi. Se o apartamento é meu, mostrem um papel assinado, mostrem um centavo pago. Se não é, peçam desculpas. É por conta disso que resolvi entrar na briga, outra vez", assegura Lula.

Os três juízes do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região de Porto Alegre indeferiram, esta segunda-feira, por unanimidade o recurso de Lula, mantendo a sentença de 12 anos e um mês de prisão.

O antigo chefe de Estado permanece em liberdade até 4 de abril, data em que o Supremo Tribunal do Brasil vai emitir uma decisão sobre o pedido de "habeas corpus" apresentado pela defesa de Lula da Silva.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europol identificou as 821 redes criminosas mais perigosas da Europa

Novo inimigo político de Orbán divulga alegadas provas de corrupção

Rubiales investigado sobre contratos da Supertaça na Arábia Saudita