Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"É difícil travar extremistas que recorrem à violência", admite Jan Jambon

"É difícil travar extremistas que recorrem à violência", admite Jan Jambon
Tamanho do texto Aa Aa

A Bélgica é, per capita, o país europeu de onde são originários mais combatentes que se juntaram ao Daesh na Síria e no Iraque. O país foi, também, alvo de ataques terroristas, na capital, a 22 de março de 2016 e o único sobrevivente dos ataques em Paris, em 2015, é cidadão belga.

"Ser radical não é um problema em si mesmo. Sou radical, sou um democrata radical, sou um nacionalista flamengo radical"

Jan Jambon Ministro da Administração Interna, Bélgica

Estes temas são muito preocupantes para o governo, pelo que o correspondente da euronews em Bruxelas, Aissa Boukanoun, entrevistou Jan Jambon, ministro para Segurança e Administração Interna da Bélgica.

euronews: Enfrentar a ameaça terrorista, lutar contra a radicalização das pessoas que podem tornar-se adeptos do jihadismo e partirem para o Iraque e a Síria, travar as consequências da islamofobia, do aumento do racismo e do anti-semitismo. São dossiês de gestão difícil. Quais são as suas prioridades?

Jan Jambon: Penso que a prioridade será reformar a política de segurança neste país a um nível cultural, o que significa combater o extremismo violento e o anti-semitismo.

euronews: Quais são as medidas mais adequadas para travar a radicalização a nível geral e também de cada indivíduo?

Jan Jambon: Ser radical não é um problema em si mesmo. Sou radical, sou um democrata radical, sou um nacionalista flamengo radical, por isso ser radical não é um problema em si mesmo. Mas quando o radicalismo adota a violência, isto é, passa a extremismo violento, então temos um problema. É difícil travar pessoas com ideias extremistas que as querem recorrer à violência.

Olivier Hoslet/Pool via REUTERS

euronews: Há dois anos e meio, anunciou que iria limpar Molenbeek. Ainda existem terroristas a residir nessa freguesia de Bruxelas, onde também viviam os terroristas dos atentados de Paris?

Jan Jambon: As pessoas que cometeram atos terroristas foram detidas, mas há também uma rede de apoios desses terroristas. Portanto, diariamente, os nossos serviços tentam identificar essas pessoas que ajudam e apoiam terroristas.

euronews: Como é feita a cooperação, a troca de informações, ao nível intra-europeu e internacional?

Jan Jambon: Depois dos ataques terroristas em Paris e Bruxelas, criamos, em conjunto com a França, equipa de investigação judicial conjunta.

euronews: Este país, como vários outros países europeus, está a assistir ao ressurgimento de atos de islamofobia e anti-semitismo. Que instruções deram para a polícia?

Jan Jambon: Não concordo de forma alguma com a sua análise de que somos um país onde aumentaram os atos de islamofobia e anti-semitismo, não concordo de todo. Há apenas pequenos grupos que os levam a cabo e a polícia tem a tarefa de os deter.

euronews: Os s serviços de segurança estão a tomar medidas para lidar com o regresso dos milicianos belgas que estiveram no Iraque e na Síria?

Jan Jambon: Não, não estão a fazê-lo ativamente. Devo dizer-lhe que a Bélgica registou o triste recorde do maior número desses combatentes per capita, isto é, tendo em conta a população do país. Mas hoje temos outro recorde: o do número de pessoas detidas por processos ligados ao terrorismo.

euronews: Como é que tentam impedir o retorno de terroristas ao país de forma clandestina?

Jan Jambon: Há pessoas que pedem asilo e nós verificamos as bases de dados da polícia e dos serviços que combatem o terrorismo. Todos os pedidos de asilo são analisados sistematicamente para podermos deter aqueles que o fazem ilegalmente.

euronews: Houve uma da coligação anti-Daesh. Acha que o Daesh está tão fragilizada que não poderá cometer ataques em território europeu?

Jan Jambon: Penso que estão enfraquecidos, que perderam muito um território e que deixaram de ser tão atrativos para os jovens dos nossos bairros, mas o perigo não desapareceu.