EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Universidades francesas sob ambiente de tensão

Estudantes rejeitam reformas no acesso ao ensino superior
Estudantes rejeitam reformas no acesso ao ensino superior
Direitos de autor 
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As reformas no acesso ao ensino superior são o objeto da fúria dos estudantes.

PUBLICIDADE

A situação permanece tensa nas universidades francesas.

Em Paris, Toulouse, Bordéus e Lille, os estudantes mobilizam-se contra a reforma no acesso ao ensino superior organizando paralisações ou bloqueios.

Através desta reforma o governo espera melhorar a orientação profissional dos jovens no final do liceu a fim de aliviar o acesso a cursos demasiados concorridos como é o caso de direito ou medicina.

Mas os estudantes contestatários vêm estas reformas como medidas de instauração de um princípio de seleção à entrada. Para eles, a reforma significa o fim da universidade para todos e da liberdade de escolha.

“Isto impede os estudantes de irem para a universidade e de escolherem o que querem estudar. E a escolha de um curso hoje em dia significa escolher um futuro" afirma um estudante que participou num protesto na universidade de Lille.

O movimento criou tensões agudas com os estudantes favoráveis às reformas no momento em que se aproximam os exames.

Em Bordéus, a polícia de intervenção foi chamada para retirar os grevistas da faculdade. No entanto, foi na faculdade de Direito de Montpellier que a situação se agravou. Indivíduos encapuçados armados de bastões irromperam numa sala para terminar com o protesto.

O reitor da faculdade e um professor foram igualmente detidos devido a suspeitas de cumplicidade com os autores dos atos de violência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudantes húngaros exigem reforma do sistema de ensino

Ensino superior português com maior taxa de despesa em I&D

Ensino deverá "apaixonar" mais jovens para emprego na economia digital