Última hora

Última hora

As sementes do mundo de Ilhwa Kim

Em leitura:

As sementes do mundo de Ilhwa Kim

As sementes do mundo de Ilhwa Kim
Tamanho do texto Aa Aa

São como sementes de mundos que compõem um universo de papel, que apanha as pessoas de surpresa.

Assim vê a artista plástica contemporânea sul-coreana Ilhwa Kim as suas composições, feitas com hanji, um tipo de papel tradicional.

São pedaços de todos os tamanhos possíveis, aos milhares, que estabelecem um diálogo constante entre cores e luzes, dando origem a peças únicas, como cada lugar do cosmos.

Cada trabalho é espontaneidade. Uma estrutura sem planos, sem preparações, sem cálculos. Kim diz que tudo o que faz é "plantar sementes."

"O que faço é separar peças e juntá-las de outra forma. Milhares de peças. Cada uma representa um mundo por si própria", explica Kim.

Um trabalho continuado, de horas, mas que, longe de frustrar a artista, fá-la entender o mundo.

"E quando milhares de mundos se juntam, criamos um universo. As peças têm linhas direitas e têm curvas. Combinadas, juntas, representam pequenas partículas do mundo. Vejo-as como sementes do mundo. Parecem sementes quando olhamos para elas desde cima."

Os trabalhos de Ilhwa Kim podem ser vistos na House of Fine Art em Londres de 4 a 17 de abril, como parte da exposicao Sensory Portrait. Kim constrói trabalhos de papel desde os oito anos.

Formou-se em técnicas de pintura oriental. Nasceu na Coreia do Sul, em 1967, e estudou na Universidade Hong-Ik, de Seul, cidade onde vive.

Mais sobre Cult