Última hora
This content is not available in your region

"Ser Presidente na América Latina é um ofício perigoso"

euronews_icons_loading
"Ser Presidente na América Latina é um ofício perigoso"
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Fernando Henrique Cardoso considera que há uma nova forma de corrupção no Brasil. Da rede de favores pessoais, diz, passou-se a um tráfico de influências que está agora na base do poder dos partidos. O antigo chefe de Estado brasileiro explica como tudo se passa: "Você tem empresas que são Estatais. Essas empresas que são Estatais fazem contratos com empresas que são privadas. Esses contratos são super-faturados. O dinheiro passa pelas empresas privadas e vai para os partidos. Essas pessoas que são nomeadas para essas empresas pelos Governos são pessoas nomeadas para fazer isso. Formam um sistema de corrupção. Isso é recente. Não é tradicional".

Fernando Henrique Cardoso considera que a Operação Lava-jato é a "a Justiça tentando conter esses abusos" e sublinha o facto de "pela primeira vez na história" haver "uma quantidade de pessoas poderosas e ricas na cadeia".

Para o antigo presidente brasileiro, foi preciso "coragem da sociedade Brasileira, de levar adiante esses processos, com um efeito devastador sobre a elite política e económica do país".

"Eu disse, a brincar, no outro dia: é um ofício perigoso, ser presidente da República. Pode ir parar na cadeia. No passado não", afirma.

Fernando Henrique Cardoso foi presidente do Brasil de 1995 a 2003, depois de ter sido ministro do governo de Itamar Franco. Os seus mandatos antecederam a 'era Lula' e a subida do PT ao poder.