EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Administração Trump sanciona oligarcas russos

Administração Trump sanciona oligarcas russos
Direitos de autor 
De  Euronews com AFP / EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Secretário do Tesouro dos EUA acusa oligarcas e funcionários russos próximos de Putin de "beneficiarem de atividades destabilizadoras" do Kremlin

PUBLICIDADE

A administração Trump avançou esta sexta-feira com sanções económicas contra oligarcas e funcionários russos próximos de Vladimir Putin, que considera estarem ligados a "ataques" contra "democracias ocidentais".

Em comunicado, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, acusa o governo russo de "estar envolvido em ações perversas em todo o mundo" e diz que "os oligarcas russos e elites que beneficiam deste sistema corrupto deixarão de estar isolados das consequências das atividades destabilizadoras do seu governo".

Entre os visados pelas sanções encontra-se o genro do presidente russo, Kirill Shamalov, um dos principais acionistas da energética Sibur, e o multimilionário Oleg Deripaska, proprietário do gigante do alumínio Rusal, numa lista que inclui um total de 7 "oligarcas" e 17 altos funcionários do Kremlin.

O vice-presidente do comité de relações externas da câmara alta do parlamento russo, Vladimir Dzhabarov, desdramatiza, afirmando esperar "para breve o anúncio de um encontro entre Putin e Trump" porque, defende, "o desenvolvimento internacional depende totalmente da relações entre a Rússia e os Estados Unidos".

No entanto, Dzhabarov afirmou que Moscovo poderá avançar com contramedidas na próxima semana.

As sanções norte-americanas juntam-se às decididas em março contra duas dezenas de cidadãos russos, acusados de interferir nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, nomeadamente através de ataques cibernéticos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Juíza manda arquivar caso dos documentos secretos contra Trump

Biden pede aos americanos que evitem a violência política após tentativa de assassinato de Trump

"Ucrânia vai parar Putin", diz Biden na abertura da cimeira da NATO