Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Os incentivos à mobilidade elétrica na Polónia

Os incentivos à mobilidade elétrica na Polónia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O sucesso das economias do futuro dependerá do modo como se adaptam às novas formas de mobilidade e à capacidade de armazenar energia. É um dos temas desta edição de Spotlight dedicada às empresas polacas que desenvolvem novas tecnologias para a terceira revolução industrial.

O Estado dá incentivos às empresas que fabricam carros elétricos e aos compradores. As cidades são autorizadas a definir zonas exclusivas para veículos elétricos.

A nossa viagem pela Polónia leva-nos até Lublin, à sede da companhia de autocarros Solaris. Começou por ser uma pequena empresa, com três dezenas de trabalhadores, emprega hoje 2500 pessoas. Este ano, bateu um recorde, com o fabrico de 1500 autocarros. Outro destaque: a Solaris representa 10% do mercado europeu de autocarros elétricos.

“O nosso primeiro autocarro elétrico foi apresentado em 2011. Nessa altura, os nossos concorrentes riram-se de nós. Nos próximos três a quatros anos esperamos chegar até aos 30% do mercado total, na Europa”, afirmou o diretor do departamento de Mobilidade da Solaris, Matthias Figaszewski.

“Vemos também que a procura de autocarros eletricos vem sobretudo dos países europeus. Atualmente vendemos autocarros à Polónia, à Alemanha, à Bélgica, à Espanha, à França e à Noruega. Fora da Europa, vendemos aos Emirados Árabes Unidos, ao Dubai e à Turquia. Em Izmir, fornecemos os nossos veículos a clientes de Israel”, acrescentou o responsável da Solaris.

A Polónia criou um conjunto de incentivos para desenvolver meios de transporte menos poluentes. Falámos com o vice-presidente da Agência de Investimento e Comércio da Polónia, Krzystof Senger.

“Ajudamos as empresas a encontrarem a melhor localização para se instalarem na Polónia e damos incentivos fiscais. Temos apoios financeiros para desenvolver o nosso mercado de mobilidade elétrica”, Krzystof Senger.

A fábrica de baterias para automóveis da LG é a maior da Europa e situa-se na Polónia.

“O investimento da LG é uma etapa muito importante no fabrico de baterias para carros na Polónia. Teremos mais etapas. Atualmente, na indústria automóvel estamos a trabalhar em 41 projetos de investimento, dez dos quais ligados à mobilidade elétrica.

Além do investimento externo, o Estado polaco quer incentivar o investimento interno no setor das baterias.

“Estamos a tentar estimular o mercado interno com um conjunto de incentivos. Ajudamos as empresas polacas a fazerem investigação no setor das baterias”, afirmou o responsável da Agência de Investimento e Comércio da Polónia.

A Ursus é uma das concorrentes nacionais da Solaris.
Começou por fabricar tratores e produz hoje autocarros.

Uma parte do investimento da empresa é dedicada à mobilidade elétrica e aos veículos a hidrogénio.

“Ajudamos a empresa a criar o clima ideal para o investimento e damos incentivos para a expansão internacional. Um dos exemplos de incentivos é uma isenção fiscal para as empresas que se instalem numa zona económica especial. Outro exemplo, a nova lei dos Transportes limpos. O Estado dá incentivos às empresas que fabricam carros elétricos e aos compradores de carros elétricos. As cidades são autorizadas a definir zonas exclusivas para veículos elétricos. Há também incentivos para favorecer a compra de veículos elétricos pelos governos locais”, disse Krzystof Senger.

O objetivo do governo polaco é chegar a um milhão de carros elétricos e 60 mil estações de carregamento em 2025. Além das iniciativas governamentais, há também projetos privados no domínio da mobilidade, como o veículo Triggo desenvolvido pelo antigo piloto Rafał Budweil.

“Desenvolvemos uma suspensão que se adapta à circulação quando há engarrafamentos e que facilita o estacionamento. Quando a velocidade aumenta, a suspensão funciona como a dos carros tradicionais”, explicou o fundador e presidente da empresa Triggo.

A empresa polaca espera obter em breve uma licença para poder começar a produzir os veículos em 2020.

“Estamos a assistir a um crescimento importante dos serviços de carros partilhados, dos serviços de mobilidade. Há plataformas na Europa e no mundo inteiro. O nosso objetivo é que o nosso modelo se torne o número um para as empresas de carros partilhados”, afirmou Rafał Budweil.