A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Campo de refugiados de Yarmouk debaixo de fogo

Campo de refugiados de Yarmouk debaixo de fogo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 18 combatentes fiéis a Bashar Al-Assad terão sido mortos nas últimas horas durante a ofensiva militar para recuperar um dos últimos enclaves rebeldes, perto de Damasco.

Os bombardeamentos estão a fustigar, desde quinta-feira, o campo de refugiados de Yarmouk. Criado pela ONU na década de 50 para acolher palestinianos, o campo integra, atualmente, o território ocupado por radicais do Estado Islâmico.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos humanos, em seis dias terão sido mortas mais de 100 pessoas.

O regime de Bashar Al-Assad já fez saber que a ofensiva só vai terminar depois de assumir controlo total da área que ainda se encontra nas mãos grupos rebeldes.

A oposição que começou a perder força com a intervenção da Rússia está cada vez mais debilitada e controla, atualmente, algumas zonas no noroeste e sudoeste do país.