Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Economia europeia em crescimento mas com "novos riscos"

Economia europeia em crescimento mas com "novos riscos"
Direitos de autor
REUTERS/Francois Lenoir
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de terem atingido o nível mais elevado da última década, em 2017, as taxas de crescimento da União Europeia e da Zona Euro deverão manter-se em expansão, mas "a economia está mais exposta a fatores de risco externos, que são mais intensos e mais desfavoráveis", avisa a Comissão Europeia nas Previsões Económicas da Primavera de 2018.

Pelas contas de Bruxelas, depois de te registado uma taxa de 2,4% em 2017, o crescimento económico deverá fixar-se nos 2,3% este ano, escorregando ligeiramente para os 2% em 2019.

O Comissário responsável pelos Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e União Aduaneira, Pierre Moscovici sublinha o pico alcançado no ano passado: "o crescimento económico na Zona Euro e na União Europeia (UE) atingiu máximos de dez anos em 2017, que foi também o primeiro ano numa década em que todas as economias europeias cresceram bem".

As previsões económicas da Primavera apresentam um otimismo cauteloso, avisando que a economia está mais exposta a fatores de risco externos, como as políticas protecionistas.

"O principal risco que ameaça estas perspetivas tão otimistas é o protecionismo, que não pode converter-se na nova normalidade: só poderia prejudicar aqueles de entre os nossos cidadãos que mais necessitam de proteção", assinala Pierre Moscovici.

O desemprego continua a diminuir, estando atualmente próximo dos níveis anteriores à crise. Na UE, espera-se que o desemprego continue a decrescer, de 7,6 % em 2017 para 7,1 % em 2018 e 6,7 % em 2019. Na zona Euro, as previsões apontam para uma redução, de 9,1 % em 2017 para 8,4 % em 2018 e 7,9% em 2019.

A inflação abrandou nos primeiros três meses do ano, mas Bruxelas antecipa um ligeiro aumento nos próximos trimestres, devido, em parte, à subida dos preços do petróleo.

"De um modo geral, a inflação na zona euro em 2018 deverá manter-se ao mesmo nível de 2017, isto é, 1,5 %, e em seguida aumentar para 1,6 % em 2019. Na UE, espera-se a mesma tendência, mas com a taxa de inflação a manter-se a 1,7 % no corrente ano, antes de aumentar para 1,8 % em 2019", lê-se no comunicado divulgado por Bruxelas.

A Comissão Europeia nota que o consumo privado continua dinâmico e as exportações e o investimento aumentaram, mas os riscos são cada vez mais significativos. Mercados financeiros voláteis ou subida das taxas de juro americanas são fatores que podem gerar incertezas e criar instabilidade.

Em comunicado, o Vice-Presidente responsável pelo Euro e Diálogo Social, bem como pela Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e União dos Mercados de Capitais, Valdis Dombrovskis, afirma: "a expansão económica na Europa deverá prosseguir a bom ritmo este ano e no próximo, apoiando a criação de emprego. No entanto, no horizonte perfilam-se também riscos cada vez mais significativos".

A preocupação de Bruxelas traduz-se num aviso: "deveríamos aproveitar a atual conjuntura favorável para tornar as nossas economias mais resilientes. Tal significa criar reservas orçamentais, reformar as nossas economias para promover a produtividade e o investimento, bem como tornar o nosso modelo de crescimento mais inclusivo. Significa também reforçar os alicerces da nossa União Económica e Monetária".