Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Hungria: ONGs denunciam novo pacote legislativo anti-Soros

Húngaros manifestam-se nas ruas de Budapeste
Húngaros manifestam-se nas ruas de Budapeste
Tamanho do texto Aa Aa

É já na próxima semana, no dia 8, que o novo governo na Hungria se reúne pela primeira vez. A dominar a agenda está o pacote legislativo contra o bilionário de origem húngara, George Soros.

"Este pacote legislativo é totalmente inconstitucional"

Júlia Iván Diretora, Amnistia Internacional, Hungria

O parlamento anterior não conseguiu aprovar as novas leis pois ficou aquém da maioria de dois terços exigida.

O objetivo do novo pacote legislativo é dificultar o apoio prestado pelas ONGs aos refugiados. Um problema que por várias vezes levou milhares de húngaros para as ruas de Budapeste em sinal de protesto.

A ONG Transparência Internacional afirma que está fora do alcance das novas regras.

SOT (József Péter Martin, Managing Director, TI Hungary)

"O texto atual determina que as novas leis anti-Soros apenas se aplicam a organizações que lidam diretamente com os migrantes. Na Hungria e no resto dos mundo, a Transparência Internacional não lida com questões relacionadas com os migrantes e as leis de asilo", afirma József Péter Martin, diretor executivo da delegação húngara da Transparência Internacional.

No entanto, a Amnistia Internacional, uma das maiores ONGs a nível mundial, afirma que o novo pacote legislativo é confuso.

"Vemos que as pressões sobre a sociedade civil são graves. Basta pensar nas ameaças regulares que recebemos do governo. Isso significa que temos que toar muitas precauções para continuar a trabalhar. Estamos numa posição difícil porque se trata de uma campanha política e não existe base legal para tal. Este pacote legislativo é totalmente inconstitucional", adianta a diretora da AI na Hungria, Júlia Iván.

A ser aprovado, caberá ao Ministério do Interior implementar o novo pacote legislativo. As ONGs que lidam com os refugiados dependem da autorização deste ministério para poderem funcionar. Caso recebam apoios provenientes do estrangeiro, estes ficam sujeitos a uma taxa de 25%.