Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Morreu Afonso Dhlakama (1953-2018), o líder da Renamo

Afonso Dhlakama tinha 65 anos e não resistiu uma crise de diabetes
Afonso Dhlakama tinha 65 anos e não resistiu uma crise de diabetes -
Direitos de autor
REUTERS/Grant Lee Neuenburg/ Arquivo
Tamanho do texto Aa Aa

Morreu Afonso Dhlakama, o presidente da Resistencia Nacional Moçambicana (Renamno), a principal força de oposição à Frente de Libertação (Frelimo), o atual partido no poder.

A notícia foi avançada pela Televisão Independente de Moçambique.

A TIM escreve que "o maior líder da oposição em Moçambique" terá morrido "nas matas da Gorongosa, onde se refugiou desde que iniciaram os conflitos político-militares em 2012."

O jornal português Público cita duas fontes em Moçambique e acrescenta que Dhlakama terá sido vítima de uma crise de diabetes, tendo morrido já a bordo de um helicóptero que o deveria ter transportado para Pretória onde iria ser submetido a um tratamento de urgência.

A Frelimo lamenta a perda de "um parceiro estratégico" no processo de paz em Moçambique.

"Colheu-nos de surpresa e com muita dor. Era um parceiro estratégico para a paz e estabilidade no país", afirmou ao canal privado STV o porta-voz da Frelimo, Caifadine Manasse.

“A Renamo vai-se reorganizar. Eles têm interesse em ver esta paz”, acrescentou Manasse.

O Presidente de Portugal também lamentou a perda da Renamo.

Em mensagem enviada ao presidente moçambicano e divulgada no site da Presidência da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa lamentou a morte de "um interlocutor privilegiado nos caminhos do diálogo, da paz e da concórdia num país irmão."

Afonso Dhlakama tinha 65 anos.