Última hora

Última hora

UE critica declarações de Mahmud Abbas sobre perseguição aos judeus

UE critica declarações de Mahmud Abbas sobre perseguição aos judeus
Tamanho do texto Aa Aa

Raramente se ouvem tantas vozes contra o líder da Autoridade Palestiniana: para além de Israel, vários países ocidentais e a própria ONU apontaram o dedo ao que chamam de anti-semitismo de Mahmmoud Abbas.

Na segunda-feira, no Parlamento da Organização para a Libertação da Palestina, OLP, em Ramallah, Cisjordânia, Abbas afirmou que as diversas perseguições e massacres de que o povo judeu já foi alvo, incluindo o Holocausto, se deveram sobretudo às funções que desempenhavam habitualmente na sociedade, por exemplo a nível financeiro, mais do que à religião".

Nem a diplomacia da União Europeia deixou de criticar. Num comunicado oficial, Bruxelas diz que o discurso de Mahmoud Abbas "tem comentários inaceitáveis sobre o Holocausto e a legitimidade de Israel e que esta é uma retórica que não ajuda a solução de dois Estados."

Estas vozes juntam-se então às criticas de Israel. Benjamim Netanyahu acusou Abbas de "antissemitismo e negação do Holocausto". O Ministério dos Negócios Estrangeiros israelista disse ainda que o presidente da Autoridade Palestiniana estaria a responsabilizar o povo judeu pela própria tragédia".

O enviado especial da ONU para o Médio Oriente, Nickolay Mladenov, afirmou que o presidente palestiniano repete "certos insultos anti-semitas entre os mais desprezíveis". Mladenov classificou-os mesmo como "terorias da conspiração".