Última hora

Última hora

Quatro mortos em intervenção na Cidade de Deus

Em leitura:

Quatro mortos em intervenção na Cidade de Deus

Quatro mortos em intervenção na Cidade de Deus
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos quatro pessoas morreram e oito foram detidas durante uma operação levada a cabo pela polícia na comunidade conhecida como Cidade de Deus, cidade do Rio de Janeiro.

A informação e os dados relativamente ao número de mortos foram avançados pelas autoridades, que explicaram que a operação ficou a dever-se à morte de um dos agentes enquanto patrulhava a zona.

O tiroteio fez com que a polícia decidisse fechar a chamada Linha Amarela, adjacente à favela, três vezes ao longo do dia, deixando condutores e passageiros dos transportes públicos sem conseguir abandonar o local.

Ao mesmo tempo, a polícia montou outra operação na comunidade conhecida como Lins, pelo que foi fechada ao tráfego uma das mais importantes artérias da região. O cerco durou durante aproximadamente duas horas.

Durante a intervenção, grupos de jovens, quase todos rapazes, bloquearam as ruas à volta da Cidade de Deus e ergueram barricadas, que foram depois removidas pela polícia.

Apreensão de armas e drogas

As autoridades dizem ter apreendido várias armas e droga para ser vendida.

A comunidade conhecida como Cidade de Deus, famosa pelo filme brasileiro com o mesmo nome, é tida como uma das mais violentas favelas do Rio de Janeiro.

A "cidade maravilhosa" vive tempos de tensão, com um agravamento da violência, à medida que grupos ligados ao crime e ao tráfico lutam pelo domínio de certas zonas da metrópole, a segunda maior do Brasil em termos de população, depois de São Paulo.

Existem também milícias e grupos armados, formados, em muitos casos, por antigos agentes da polícia, que contribuem para o aumentar da violência.

Em fevereiro deste ano, o Governo Federal lançou um decreto para reforçar a presença das forças de ordem no Rio de Janeiro. Foram lançadas operações de força para lutar contra o crime e violência, com a presença de milhares de agentes e elementos das diferentes polícias e mesmo do Exército.