Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Censurado no Quénia, "Rafiki" é destaque em Cannes

Censurado no Quénia, "Rafiki" é destaque em Cannes
Direitos de autor
REUTERS/Jean-Paul Pelissier
Tamanho do texto Aa Aa

"Rafiki" é o primeiro filme queniano a ser selecionado para o Festival de Cannes.

A estreia foi esta semana na Riviera Francesa, mas a película não vai ser exibida no país onde foi produzida.

As autoridades quenianas, proibiram o filme por "legitimar o romance homossexual".

Wanuri Kahiu, realizadora de "Rafiki" comenta: "Acreditamos que o público queniano já é maduro e tem discernimento suficiente para decidir se gosta ou não do tema do filme, ou decidir se o quer ver. Mas essa possibilidade foi-lhe retirada."

"Rafiki" conta a história de amor de duas adolescentes quenianas e do desafio que é viver no ambiente homofóbico de Nairobi. Kena e Ziki terão de escolher entre felicidade ou segurança.

Sheila Munyiva, uma das atrizes principais, hesitou em aceitar este papel: "Tive dúvidas em fazer este filme porque entrei agora para a indústria cinematográfica e ainda estou a criar a minha imagem. Pensei no impacto que este papel poderia ter na minha vida profissional e como as pessoas me veriam quando o filme estivesse pronto. Mas, enviaram-me o guião e era simplesmente fantástico"

"Rafiki" foi adaptado do conto Jambulka Tree, da escritora ugandesa Monica Arac Nyeko.

O filme foi exibido na categoria "Un Certain Regard", esta quarta-feira, na 71a. edição do maior Festival de Cinema da Europa.