Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ataques químicos confirmados na Síria

Ataques químicos confirmados na Síria
Tamanho do texto Aa Aa

Estas imagens datam de 4 de fevereiro de 2018.

A noite em Saraqib, na Síria, acordou com um bombardeamento que levou 11 civis ao hospital por intoxicação.

Agora a Organização para a Interdição das Armas Químicas confirma a suspeita: no ataque, foram utilizadas munições de cloro, uma substância tóxica.

A conclusão é suportada por amostras ao solo, latas e impacto em alguns locais.

Dificuldades respiratórias, vómitos e períodos de inconsciência foram alguns dos sintomas das vítimas, expostas ao ataque químico.

Testemunhas relataram aos investigadores que as bombas foram largadas por helicóptero. O relatório oficial nâo identifica a autoria do ataque, mas sabe-se que apenas o governo sírio dispõe desses equipamentos.

Uma investigação conjunta entre a Organização para a Interdição das Armas Químicas e as Nações Unidas na Síria já tinha concluído que o governo do país usou gás sarin e cloro em ataques prévios, vitimando centenas de civis. Foi também assinalado o uso de gás mostarda, uma vez, em menor escala, por parte dos rebeldes.

Em outubro do ano passado a resolução para prologar as investigações foi vetada pela Rússia, no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Uma ação que reacendeu as tensões entre Moscovo e os países do Oeste quanto ao uso de armas químicas na Síria.