EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Grécia acolhe refugiada de 111 anos

Grécia acolhe refugiada de 111 anos
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Laila Saleh sonha em reencontrar-se com as netas, na Alemanha. Contudo, nâo pode viajar sozinha e o resto da família nâo tem direito a asilo.

PUBLICIDADE

Aos 111 anos, Laila Saleh é a mais velha refugiada na Grécia.

Nascida na Síria em 1907, vive num campo de refugiados, onde sonha conseguir chegar à Alemanha para ver as netas.

A vontade de se reunir com a família é grande, mas as memórias do que deixou para trás acompanham-na para onde quer que vá:

"Em Kobani vivia-se bem. As pessoas tinham trabalho, uma vida normal. A guerra destruiu a cidade, só ficaram ruínas. As pessoas abandonaram a cidade a tentar salvar as suas vidas e as vidas das crianças".

Um problema põe em risco o sonho de Laila: o resto da família, composta pelo filho, nora, neto e bisnetos, não tem asilo na Alemanha.

A matriarca tem demasiada idade para viajar sozinha e a situação da família só vai ser revista em 2019.

A ONG «Solidarity Now» está a acompanhar o caso e a tentar acelerar todo o processo, conforme revela a responsável pela comunicaçâo Valia Savvidou:

"O nosso objetivo é fazer que isto aconteça o mais depressa possível. Esta família tem de viajar para a Alemanha e deviam fazê-lo todos juntos. Estamos a tentar mostrar a vulnerabilidade do caso, de forma a acelar os procedimentos e garantir o asilo.

As netas de Laila querem viajar para a Grécia, mas não têm meios para comprar o bilhete de aviâo por. Na Alemanha, continuam a aguardar pela família.

O caso de Laila é uma história de urgência, tal como resume o jornalista da Euronews Apostolos Staikos, euronews:

"Esta viagem começou em Kobani, na Síria, e tem a Alemanha como destino final. No entanto, Laila Saleh não pode viajar sozinha. Por isso, pede às autoridades gregas que dêem asilo a todos os membros da família. Para esta refugiada de 111 anos, trata-se de uma corrida contra o tempo e o tempo está a acabar".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

MSF acusa Grécia de fazer expulsões abusivas de migrantes

Buscas continuam após trágico naufrágio

Alternativa para a Alemanha fica em terceiro lugar nas eleições autárquicas na Turíngia