Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Gina Haspel, a primeira mulher aos comandos da CIA

Gina Haspel, a primeira mulher aos comandos da CIA
Direitos de autor
REUTERS/Aaron P. Bernstein
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Gina Haspel é a primeira mulher na história a assumir o comando da CIA, uma das mais poderosas agências de segurança dos Estados Unidos da América.

A agente foi confirmada pelo Senado como a nova diretora do organismo, contabilizando 54 votos a favor e 45 contra, num processo que ficou marcado pelas divisões partidárias entre Republicanos e Democratas e pela controvérsia em torno do seu passado.

Com uma carreira de 33 anos na CIA - entrou em 1985 -, Gina Haspel esteve ligada no pós-11 de setembro de 2001 à gestão de locais de detenção secreta fora do país e a programas de interrogatório que alegadamente recorreram à tortura para obter informações de suspeitos.

A operacional da CIA, de 61 anos, foi uma escolha do presidente norte-americano, Donald Trump, e sucede assim a Mike Pompeo, que trocou recentemente a direção da agência pelo cargo de Secretário de Estado.

Numa curta mensagem publicada na rede social Twitter, o líder da Casa Branca já deus os parabéns a Haspel pela sua oficialização como nova diretora da CIA.

Natural do estado do Kentucky, Gina Haspel cresceu um pouco por todo o mundo, devido a ser filha de um oficial da Força Aérea dos EUA. A nova diretora trabalhou também durante muitos anos como agente secreta e apenas nas últimas semanas a CIA divulgou algumas das suas missões.

Haspel garantiu já que a CIA não retomará o programa de extensos interrogatórios e de tortura introduzido após o "11 de setembro", mesmo que o Presidente dos Estados Unidos o peça, e referiu perante uma comissão senatorial que o seu "código moral é sólido".