Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"A UE não vai acabar", diz Steve Bannon

Steve Bannon
Steve Bannon
Tamanho do texto Aa Aa

O controverso e antigo diretor de campanha de Donald Trump, Steve Bannon, encontra-se de visita à Europa. Esta semana Bannon visitou a Hungria onde proferiu um discurso subordinado ao tema "O impacto da política América Primeiro na Europa Central".

"Com o populismo vamos ver as pessoas com muito maior controlo sobre a sua soberania"

Steve Bannon Antigo diretor de campanha de Donald Trump

A euronews entrevistou Bannon a propósito das principais questões que afetam o Continente e para ficar a conhecer os seus objetivos para o futuro.

Bryan Carter, euronews: "Falou sobre um admirável mundo novo. Pode falar-me sobre a europa, a União Europeia, onde é que estará daqui a 10, 20 anos?

Steve Bannon: Será um conjunto de nações.

BC: Então acaba a União Europeia?

SB: Não, não, não. Penso que a União Europeia não vai acabar mas penso que se encontra numa via idêntica à dos Estados Unidos, onde os Estados-nação passam a integrar uma organização estéril. Penso que o que estamos a ver hoje, quando falo de um admirável mundo novo, será algo como, em primeiro lugar, com o populismo, vamos ver as pessoas com muito maior controlo sobre a sua soberania e cidadania. Quanto ao nacionalismo, penso que veremos um conjunto de nações robustas, a Hungria, a República Checa, a Alemanha e a França, e penso que isso é bom. As pessoas vão ter muito mais controlo direto sobre os seus países.

Durante a entrevista, Bannon falou sobre a admiração que sente por Donald Trump e Viktor Orban, atacando ainda a comunicação social e o que descreve como "a elite global".

O antigo conselheiro de Trump elogiou o novo governo italiano afirmando que a aliança entre a extrema-esquerda do Movimento 5 Estrelas e a extrema-direita representada pela Liga constitui um exemplo de como o populismo tem um espaço na política.