Última hora
This content is not available in your region

Greve na Petrobras declarada ilegal, camionistas continuam com movimento

Greve na Petrobras declarada ilegal, camionistas continuam com movimento
Tamanho do texto Aa Aa

A onda de movimentos sociais no Brasil parece estar longe de terminar, apesar dos encontros entre o presidente Michel Temer e os representantes do setor da camionagem.

Os brasileiros enfrentam agora uma nova greve, a dos trabalhadores das refinarias da energética Estatal Petrobras, prevista para começar quarta-feira, num movimento convocado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) que não tem o acordo do Tribunal Superior do Trabalho.

O TST decidiu declarar a greve ilegal, depois do pedido realizado pela Advocacia-Geral da União, a instituição responsável pela representação, fiscalização e controlo jurídico da União.

O órgão justificou a decisão com o temor a que a greve cause "prejuízos gravíssimos" à sociedade brasileira, tendo em conta o atual cenário de crise, nomeadamente ao que ao abastecimento de recursos como gás e petróleo diz respeito, por causa da greve dos camionistas, que tem conseguido paralizar a maior economia da América do Sul.

Reuters
O preço do gasóleo é um dos principais motivos que levou os camionistas brasileiros à paralisação, que teve início a 21 de maio.Reuters

De acordo com a Agência Brasil, ao desobedecer à decisão do TST, os sindicatos em greve deverão pagar uma multa diária.

As multas pode chegar ao equivalente a cerca de 116 mil euros, estando também previstas sanções para os trabalhadores que impeçam a circulação de mercadorias ou pessoas nas refinarias.

No início desta semana, Michel Temer disse que o Governo Federal fez tudo o que pode para aceder aos pedidos dos representantes dos camionistas.

O presidente do Brasil disse que esperava que o país regressasse "progressivamente à normalidade" nos próximos dias.

Eliseu Padilha, Ministro-Chefe da Casa Civil do Brasil, fundamental na estratégia política do Governo, Temer disse que o Executivo se comprometeu com os camionistas e que o presidente tem vindo a cumprir "uma a uma as suas promessas."

No entanto, quarta-feira, era possível constatar que o movimento grevista continuava em todo o território brasileiro, apesar do acordo alcançado entre o Governo Temer e os representantes dos camionistas.

Para os representantes dos camionistas, a paralização tem sido "um êxito." A Confederação Nacional dos Transportadores Autónomos (CNTA) considera que o movimento, que começou dia 21, deve continuar, pois se os trabalhadores voltarem à atividade, "tudo o que foi conquistado corre o risco de se perder."

A agência Lusa indica que, até terça-feira, oito aeroportos continuavam sem combustível e vários hospitais acusavam falta de recursos para tratamento.

A falta de circulação de recursos e de mercadorias tem tido efeitos devastadores na produção animal, por exemplo.

Cerca de 70 milhões de galinhas foram mortas pelos criadores na segunda-feira. Os profissionais do setor dizem que não tiveram alternativa, já que foi impossível alimentá-las durante vários dias.

Nas grandes metrópoles como o Rio de Janeiro e São Paulo, registava-se ainda falta de abastecimento no setor alimentar, nomeadamente frutas e verduras.

Enquanto isso, os transportes públicos voltavam à atividade, assim como as instituições de ensino.

Na quinta-feira passada, o Brasília chegou a acordo com alguns dos principais representantes dos camionistas, tendo alguns pontos do acordo sido renovados no passado domingo.

Foi acordada a extensão da redução do preço do combustível por mais tempo ou a eliminação de portagens para pesados, entre outras vantagens para os profissionais.

A paralização dos camionistas levou o Brasil a uma crise de abastecimento de recursos, de alimentos e bens essenciais a combustíveis sem precedentes na última década.

Por causa da falta de recursos básicos, várias indústrias foram obrigadas a suspender a produção, com perdas milionárias, ainda por calcular.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.