Última hora
This content is not available in your region

Bósnia pressionada pela vaga de migrantes

Bósnia pressionada pela vaga de migrantes
Tamanho do texto Aa Aa

Cada vez mais migrantes atravessam a rota dos Balcãs, através da Bósnia, para chegar à União Europeia (UE).

Na cidade de Bihać, perto da fronteira com a Croácia, primeiro Estado-membro da UE, os migrantes ocupam um campus universitário em ruínas. Mais a norte, na cidade de Velika Kladuša, cenário idêntico. Famílias inteiras estão amontoadas ao ar livre sem água nem eletricidade.

A Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho alerta para a possibilidade de agravamento da situação.

"Provavelmente o fluxo aumentará durante os meses de verão. Por isso, a Cruz Vermelha e a Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho estão a trabalhar para aumentar o apoio às pessoas que mais precisam. Em muitos casos, as pessoas sofrem de trauma, exaustão e desidratação por causa da viagem. É muito importante focarmo-nos na Bósnia, que não tem estado nos títulos da imprensa nos últimos anos", sublinhou, em entrevista à Euronews, a porta-voz da Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para a Europa, Nichola Jones.

Desde o início do ano, mais de 5600 pessoas chegaram à Bósnia. No total do ano passado contabilizaram-se 754.

A Bósnia tem uma fronteira de mil quilómetros com a Croácia, metade dos quais são facilmente permeáveis.

O executivo bósnio quer mais cooperação dos países vizinhos e que sejam instalados centros de tratamento de pedidos de asilo nas fronteiras externas da UE.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.