EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ashley Judd visita vítimas de abusos sexuais no Sudão do Sul

Ashley Judd visita vítimas de abusos sexuais no Sudão do Sul
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A atriz Ashley Judd, uma das primeiras a denunciar os abusos sexuais que deram origem ao movimento "Mee Too," visitou vítimas de violação no Sudão do Sul, um país onde esta prática é utilizada como arma de guerra.

PUBLICIDADE

Na primeira visita ao Sudão do Sul, enquanto embaixadora da Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), a atriz Ashley Judd levou uma mensagem para as vítimas sobreviventes de violações, num país onde esta prática é uma arma de guerra corrente.

Ashley foi uma das primeiras mulheres a denunciar os abusos sexuais do produtor de Hollywood, Harvey Weinstein. Mas apesar de o movimento "Mee Too" ter despertado consciências em todo o mundo, em países devastados pelos conflitos armados, como o Sudão do Sul, milhares de mulheres sofrem em silêncio.

De acordo com o mais recente estudo do Comité de Resgate Internacional e do Instituto Global das Mulheres, 65% das mulheres daquele que é o mais novo país do mundo sofrem abusos físicos ou sexuais.,

A atriz visitou centros de acolhimento de mulheres e maternidades e ouviu histórias de grande sofrimento, mas a maior parte das mulheres recusa-se a falar para evitar a vergonha às famílias e o abandono por parte dos maridos.

O governo incentiva as vítimas a contarem as respetivas histórias, mas reconhece que o medo de represálias adensa o silêncio e permite a impunidade.

O Sudão do Sul não é o único país onde a maioria das mulheres sofre este tipo de abusos, mas aqui os números falam por si:

- É o país com a mais alta de mortalidade materna e com a mais alta taxa de iliteracia feminina;

- Cada mulher tem, em média, mais de sete filhos;

- 45% das raparigas casa-se antes dos 18 anos e 30% das adolescentes têm filhos entre os 15 e os 19 anos;

- Menos de 2% da população feminina usa métodos contracetivos modernos;

- Apenas 11,5 % dos nascimentos ocorrem com uma parteira treinada.

- Há cerca de 60 mil casos de fístula obstétrica no país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países Baixos lembram vítimas da Segunda Guerra Mundial

Josef Fritzl, que prendeu e violou a filha durante 24 anos, pode ser transferido para prisão normal

Andrew Tate vai a julgamento na Roménia por violação e tráfico de seres humanos