Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A Euronews em Tóquio para o acordo de livre comércio Japão- UE

A Euronews em Tóquio para o acordo de livre comércio Japão- UE
Tamanho do texto Aa Aa

O acordo para o livre comércio entre Japão e Estados Unidos foi assinado esta semana. Numa época de guerras comerciais, o bloco e os nipónicos optam por outro caminho. A Euronews foi a Tóquio acompanhar a cerimonia oficial.

O nosso correspondente diz que o acordo comercial é visto como o maior do mundo. Cerca de 600 mil consumidores europeus e japoneses verão as tarifas de exportação reduzidas em 90%.

Jean Claude Juncker, o presidente da Comissão Europeia, espera um aumento das exportações de ambos lados.

Shinzo Abe, o primeiro-ministro japonês, diz estar satisfeito com o acordo porque permite mais estabilidade aos construtores de automóveis japoneses, por exemplo, que querem continuar a exportar para a Europa, estando no Reino Unido.

A Euronews perguntou a Donald Tusk, o presidente do Concelho Europeu, sobre a ratificacão. Um passo que pode vir a revelar-se difícil, já que é necessário mudar mentalidades e convencer pessoas preocupadas com os empregos por causa do alívio das barreiras alfandegárias. Tusk disse que sem um acordo como este, a situação poderia ser ainda pior.

Poderão vir a dar-se aumentos em algumas tarifas, por uma questão de competitividade.

Shinzo Abe diz que este acordo contribui para uma maior proteção das pequenas e médias empresas. Juncker diz também que se favorece a proteção, dos trabalhadores, do meio ambiente e do consumidor