Ato de estudante sueca pode não ter sido tão "heroico" como pareceu

Ato de estudante sueca pode não ter sido tão "heroico" como pareceu
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O homem afegão cuja deportação a jovem conseguiu impedir, a bordo de um voo Gotemburgo-Istambul, tinha sido condenado por maus-tratos.

PUBLICIDADE

Este vídeo, emitido em direto pelo Facebook por uma estudante sueca, deu a volta ao mundo e fez com que fosse rotulada como "heroína" por vários órgãos de comunicação social. Num voo entre Gotemburgo e Istambul, a jovem impede que um homem afegão fosse deportado para o país natal, isto apesar da ira de alguns outros passageiros.

Mas o ato pode não ter sido tão heroico como parece. O homem, que apesar de retirado do avião, vai na mesma ser deportado, ainda não se sabe quando, teria sido condenado na Suécia a uma pena de prisão por maus-tratos. É o que descobriu o jornal finlandês Helsingin Sanomat, a quem a polícia sueca confirmou que o afegão, cujo nome não foi revelado, tinha sido condenado por agressão e viu ser recusado o pedido de asilo político.

Dias depois do vídeo de Elin Ersson, foi Aino Pennanen, conselheira jurídica do Partido Verde finlandês, a protagonizar uma cena semelhante e a recusar sentar-se, num voo entre Helsínquia e Berlim, também por causa de uma alegada deportação. Mas aqui, o desfecho foi bem diferente e quem foi expulsa do voo foi ela.

Touko Aalto, líder do Partido Verde finlandês, mostrou apoio a Pennanen através do Twitter
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Suécia passa a permitir mudança de género a partir dos 16 anos

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro

Greta Thunberg e outros ativistas climáticos removidos à força da entrada do Parlamento sueco