A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

NASA adia lançamento da sonda que vai viajar até ao sol

NASA adia lançamento da sonda que vai viajar até ao sol
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Segundo a NASA, o adiamento para domingo do lançamento da sonda solar deveu-se a um problema de pressão relacionado com as botijas de hélio, verificando minutos antes da descolagem.

A sonda "Parker Solar Probe" devia ter sido lançada para o espaço, a partir da base de Cabo Canaveral, na Florida, nos Estados Unidos, às 03:33 locais (08:33 em Lisboa).

O lançamento passa, agora, a estar previsto para domingo às 03:31 locais (08:31 em Lisboa).

Apontada para chegar em Novembro, a sonda já teve dois anteriores lançamentos marcados, que também foram remarcados por razões técnicas. Este será o engenho humano mais rápido de sempre.

Pela primeira vez, a NASA deu a uma sonda o nome de uma pessoa que está viva, neste caso o astrofísico norte-americano Eugene Parker, de 91 anos.

Parker é o "pai" do conceito de vento solar que a sonda se propõe observar mais a fundo, ao viajar até bem perto da coroa do Sol, a camada mais externa da atmosfera da estrela, mais quente do que a sua superfície e de onde 'saem' partículas energéticas, sobretudo eletrões e protões.

Com o tamanho de um pequeno carro, a "Parker Solar Probe" tem uma 'esperança de vida' de sete anos. O seu escudo térmico, feito à base de carbono, permite-lhe resistir a temperaturas superiores a mil graus Celsius na sua maior aproximação ao Sol.

A sonda vai 'navegar' pela atmosfera do Sol aproveitando a 'janela de oportunidade' dada pela gravidade de Vénus, o segundo planeta mais próximo do 'astro-rei'.

De acordo com a NASA, o aparelho vai aproximar-se da superfície do Sol como nunca antes uma sonda o fez, permitindo obter as observações mais próximas de uma estrela.

Na sua órbita final pelo Sol, antes de colapsar, a sonda vai viajar a 696 mil quilómetros por hora, o que a tornará no objecto feito por humanos mais rápido de sempre, e estar a cerca de 6,1 milhões de quilómetros de distância da superfície da estrela, isto é, mais de sete vezes mais próxima do Sol do que a sonda Helios 2, que detém o actual recorde de distância.

Lançada para o espaço em 1976, a Helios 2, hoje inoperacional, chegou a estar a 43 milhões de quilómetros do Sol.

A "Parker Solar Probe" vai chegar perto o suficiente do Sol para, segundo a NASA, captar a variação da velocidade do vento solar e ver o 'berço' das partículas solares de maior energia.

Os cientistas querem perceber como a energia e o calor circulam através da coroa solar (constituída por plasma, gás ionizado formado a altas temperaturas) e explorar o que acelera o vento solar e as partículas energéticas.