A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Comissão Europeia promete averiguar uso de fundos no caso Aquarius

Comissão Europeia promete averiguar uso de fundos no caso Aquarius
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia promete averiguar, dentro de quatro meses, se a Guarda Costeira italiana fez um uso indevido de fundos europeus destinados ao resgate e salvamento no mar.

Neste momento não podemos confirmar se os factos alegados na notícia a que se referiu são verdadeiros

Tove Ernst Porta-voz da Comissão Europeia

Essa acusação partiu do EUObserver, esta quarta-feira, num artigo de investigação jornalística. O jornal online alegou que cerca de 200 mil euros de fundos comunitários foram usados para escoltar o navio humanitário privado Aquarius, com mais de 600 requerentes de asilo a bordo, até Espanha, em junho passado, em vez de os encaminhar para território italiano, muito mais próximo do local de resgate.

"Temos procedimentos padronizados para fazer a avaliação sobre este tipo de ações e os custos que acarretam, mas só nos pronunciamos após terminar o prazo de entrega do relatório por parte da entidade em causa. Neste momento não podemos confirmar se os factos alegados na notícia a que se referiu são verdadeiros", disse Tove Ernst, porta-voz da Comissão Europeia, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

A UE destinou um total de 219 milhões de euros para ações de resposta a emergências no mar levadas a cabo pelas autoridades de Itália, tendo o país recebido até agora 147 milhões de euros.

Se, após a avaliação, a Comissão Europeia detetar uso indevido de fundos, o governo de Itália poderá ter de reembolsar o montante ou enfrentar cortes nos pagamentos posteriores.