Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Histeria anti-Rússia está a perder fôlego"

"Histeria anti-Rússia está a perder fôlego"
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia e os Estados Unidos endureceram as suas posições em relação à Rússia, esta semana, por causa do caso do envenenamento em Salisbury (Reino Unido), em março passado. A euronews pediu o comentário do embaixador da Rússia para a União Europeia, Vladimir Chizhov.

A Grã-Bretanha parece dar passos maiores do que as pernas

Vladimir Chizhov Embaixador da Rússia para a União Europeia

euronews: Concorda com a alegação de que o uso de armas químicas em solo europeu exige medidas duras contra o país de onde vieram as armas, que foi a Rússia?

Vladimir Chizhov: Pergunto-me onde é que obteve a informação de que houve um envenenamento e de que a Rússia esteve por trás disso. Há uma histeria anti-Rússia que veio do outro lado Atlântico, que começou no outro lado do Atlântico e é como um vírus que voou até à Europa, por onde se espalhou. Mas está a perder fôlego porque quem iniciou esse movimento tem cada vez menos argumentos para o justificar. Há muitos anos que alimentam pretextos desse tipo ou inventam novos que não têm nada a ver com a realidade.

euronews: O chefe da diplomacia britânica, Jeremy Hunt, visitou Washington com o objetivo de construir uma frente unida com a UE contra a Rússia.

Vladimir Chizhov: A Grã-Bretanha parece dar passos maiores do que as pernas. Um país que está prestes a deixar a União Europeia com ou sem um acordo, como vimos hoje, tem estado a dar conselhos e instruções sobre como lidar com a Rússia. Agora vão ainda mais longe e querem dar orientações aos Estados Unidos.