Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O Papa Francisco de visita à Irlanda no meio de nova vaga de escândalos sobre abusos sexuais

O Papa Francisco de visita à Irlanda no meio de nova vaga de escândalos sobre abusos sexuais
Tamanho do texto Aa Aa

O Papa Francisco estará este fim de semana na Irlanda para uma visita de dois dias.

A Irlanda mudou profundamente desde a última visita de um Papa, a de João Paulo II em 1979. Segundo os últimos censos, de 2016, 78% da população de cinco milhões diz ser católica. No entanto a influência da Igreja na sociedade tem vindo a diminuir, em parte devido aos escândalos de pedofilia, ocorridos entre 1975 e 2004, e à evolução dos costumes no país, com a legalização do aborto ou do casamento de pessoas do mesmo sexo.

A visita do Papa Francisco à Irlanda assume um significado especial devido às revelações sobre abusos físicos e sexuais de menores durante décadas por parte de membros da igreja Católica no país. O momento da visita é especialmente delicado, dados os novos escândalos relativos a abusos sexuais em erupção noutros países, o mais recente dos quais nos Estados Unidos, onde um relatório de 1400 páginas publicado há dois dias pelo Supremo Tribunal do estado da Pensilvânia revela o envolvimento de 300 sacerdotes em abusos sexuais de mais de 1000 crianças.

O principal motivo da visita é o Encontro Mundial de Famílias, que decorre em Dublin, mas o tema dos abusos não deverá fugir da agenda do Sumo Pontífice. No seu sermão aos fíeis, deverá abordar também a questão do acesso ao casamento entre pessoas do mesmo sexo bem como o direito ao aborto.

A nova vaga de escândalos chocou o mundo e reabriu uma crise profunda na igreja, levantando suspeitas e questões de responsabilização criminal em escala.

O Vaticano quebrou na quinta-feira o silêncio sobre o relatório tornado público na Pensilvânia, afirmando numa carta aos fíeis sentir "vergonha e tristeza" pelos novos casos de abusos sexual. Mas as vítimas, bem como os crentes e o público, exigem que se passe agora das palavras às ações.

As vítimas reclamam a criação de um processo obrigatório de denúncia de abusos, a ser imposto a todos os membros da igreja independentemente da sua posição na hierarquia, que permita a responsabilização de todos e quaisquer sacerdotes pelo encobrimento de abusos.