Última hora
This content is not available in your region

Um ano mais tarde, futuro sombrio para os Rohingya

Um ano mais tarde, futuro sombrio para os Rohingya
Direitos de autor
REUTERS/Mohammad Ponir Hossain
Tamanho do texto Aa Aa

O alerta chega das Nações Unidas: milhares de crianças Rohingya que estão refugiadas em campos no Bangladeche, sem um acesso adequado à educação, poderão transformar-se numa "geração perdida".

O aviso surge quando se cumpre, este sábado, um ano do início da repressão do Exército do Myanmar sobre a minoria muçulmana, que obrigou mais de 700.000 pessoas a fugirem do país.

Refugiada no Bangladeche, Rashida Begum dá voz às preocupações da sua comunidade:

"Cheguei aqui há um ano e o meu filho nasceu quatro meses depois. Hoje tem oito meses e estou muito preocupada com o futuro. Terá acesso a educação? Se formos reenviados para o Myanmar, o que acontecerá? Temos medo. Não há educação aqui, nem esperança de educação lá."

Fortemente criticado pela gestão da crise, o governo da líder birmanesa Aung San Suu Kyi concluiu em janeiro com Daca um acordo de repatriamento mas, oito meses depois, o texto está em ponto morto e apenas 200 Rohingya foram reenviados para o Myanmar.

Knut Ostby é o coordenador residente da ONU para o Myanmar:

"O mais importante que precisa de acontecer, é que as pessoas precisam de ter segurança quando regressarem. Precisam de ter liberdade de movimento e um acesso claro e previsível à cidadania, para os que forem elegíveis. Basicamente, precisam de poder existir na sociedade como pessoas normais quando regressarem."

Enquanto esperam, a situação é cada vez mais difícil nos campos de refugiados: segundo a ONU, do apelo a mil milhões de dólares em assistência feito em março, apenas foi recolhido um terço da soma.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.