Última hora

Última hora

Um ano mais tarde, futuro sombrio para os Rohingya

Em leitura:

Um ano mais tarde, futuro sombrio para os Rohingya

Um ano mais tarde, futuro sombrio para os Rohingya
@ Copyright :
REUTERS/Mohammad Ponir Hossain
Tamanho do texto Aa Aa

O alerta chega das Nações Unidas: milhares de crianças Rohingya que estão refugiadas em campos no Bangladeche, sem um acesso adequado à educação, poderão transformar-se numa "geração perdida".

O aviso surge quando se cumpre, este sábado, um ano do início da repressão do Exército do Myanmar sobre a minoria muçulmana, que obrigou mais de 700.000 pessoas a fugirem do país.

Refugiada no Bangladeche, Rashida Begum dá voz às preocupações da sua comunidade:

"Cheguei aqui há um ano e o meu filho nasceu quatro meses depois. Hoje tem oito meses e estou muito preocupada com o futuro. Terá acesso a educação? Se formos reenviados para o Myanmar, o que acontecerá? Temos medo. Não há educação aqui, nem esperança de educação lá."

Fortemente criticado pela gestão da crise, o governo da líder birmanesa Aung San Suu Kyi concluiu em janeiro com Daca um acordo de repatriamento mas, oito meses depois, o texto está em ponto morto e apenas 200 Rohingya foram reenviados para o Myanmar.

Knut Ostby é o coordenador residente da ONU para o Myanmar:

"O mais importante que precisa de acontecer, é que as pessoas precisam de ter segurança quando regressarem. Precisam de ter liberdade de movimento e um acesso claro e previsível à cidadania, para os que forem elegíveis. Basicamente, precisam de poder existir na sociedade como pessoas normais quando regressarem."

Enquanto esperam, a situação é cada vez mais difícil nos campos de refugiados: segundo a ONU, do apelo a mil milhões de dólares em assistência feito em março, apenas foi recolhido um terço da soma.