EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Embaixadora na UNESCO: "O Brasil todo está de luto"

Embaixadora na UNESCO: "O Brasil todo está de luto"
Direitos de autor REUTERS/Pilar Olivares
Direitos de autor REUTERS/Pilar Olivares
De  Rodrigo Barbosa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A euronews falou com a embaixadora do Brasil na UNESCO, Maria Edileuza Fontenele Reis, acerca do trágico incêndio no Museu Nacional no Rio de Janeiro

PUBLICIDADE

A euronews entrevistou a embaixadora do Brasil na UNESCO, Maria Edileuza Fontenele Reis, que nos fala de um país em luto e reconhece a degradação do Museu Nacional, embora defendendo os esforços do governo para o recuperar:

"Para nós brasileiros é uma tragédia. O Museu Nacional era um património cultural brasileiro, um património artístico e um património educacional. [...] Era de facto - é ainda, porque eu acredito que vamos poder recuperar algo - um património valiosíssimo para o Brasil. [...] Um museu que foi fundado por Dom João VI, portanto é quase um património compartilhado com Portugal.

Ele estava num estado de conservação que requeria muita atenção. [...] A diretora do património do IPHAM, do Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional, hoje de manhã, juntamente com o ministro da Cultura, já foram para o Rio de Janeiro, para verificar o que é possível fazer e o que foi feito. Ambos estavam cientes do estado precário de conservação e estavam envidando esforços para obter recursos para reforçar a preservação do museu. [...] Infelizmente a tragédia ocorreu, antecipando-se às obras de intervenção de que tanto o museu necessitava.

É realmente uma tragédia. O Brasil todo está de luto."

Editor de vídeo • Rodrigo Barbosa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tristeza e indignação depois de incêndio que destruiu Museu Nacional

Hajj: peregrinação à cidade santa de Meca pelos muçulmanos

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas