Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Estado da União: Jean-Claude Juncker frisa que a fronteira da Irlanda tem que permanecer intocada

Estado da União: Jean-Claude Juncker frisa que a fronteira da Irlanda tem que permanecer intocada
Tamanho do texto Aa Aa

Há meses que a questão da fronteira irlandesa persegue a primeira-ministra britânica.

Para lá do mar, em Dublim, o sentimento hoje é de contentamento pelo facto de Jean-Claude Juncker ter colocado a questão no centro do seu derradeiro discurso sobre o Estado da União.

O presidente da comissão europeia mostrou-se solidário com a Irlanda e frisou que a fronteira tem que permanecer intocada, tal como vem defendendo através do processo de negociações para o brexit.

O primeiro-ministro irlandês Leo Varadkar tem sido inabalável na sua defesa do status quo na fronteira, que é fundamental para a economia irlandesa.

Por outro lado, a Irlanda do Norte expressou preocupação com o facto de, apesar de o brexit estar na sua recta final, a questão da fronteira não estar ainda resolvida.

Em Londres, a pressão sobre Theresa May para uma solução continua, pois a fronteira da Irlanda será a única fronteira por terra do Reino Unido com a União Europeia quando o brexit estiver concluído.

A questão da fronteira irlandesa tem também complicado a estratégia do European Research Group, facção eurocéptica do partido conservador, que era suposto divulgar hoje os seus contra-planos aos planos de Chequers para o brexit mas não o fez por não conseguir finalizar uma proposta para a fronteira da Irlanda do Norte.

Jean-Claude Juncker responsabilizou o Reino Unido por tornar mais visível a fronteira na Irlanda do Norte devido à aliança do governo de Theresa May com o Partido Unionista Democrático (DUP), que se opõe a qualquer fronteira física ou quaisquer alterações ao Acordo de Sexta-feira Santa, responsável por duas décadas de paz, e defende a permanência do status quo na fronteira.

Existe receio que o processo de brexit e a questão da fronteira possam reacender ideologias de conflito e que o governo britânico não esteja a considerar sériamente todas as implicações da dita fronteira.