Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Congresso anual do partido Trabalhista britânico: brexit gera controvérsia

Congresso anual do partido Trabalhista britânico: brexit gera controvérsia
Tamanho do texto Aa Aa

No congresso anual do partido trabalhista deste ano, o brexit é o assunto preferido. Num últimos dois anos a estratégia do partido tem sido a de manter o silêncio e deixar o governo gerir o brexit e rumar a uma situação inevitável de conflito intra-governamental. Muitos afirmam que esta estratégia tem sido bem sucedida porque a divisão do partido conservador é cada vez mais séria e profunda e até ao momento não conseguiu assumir uma linha comum em relação ao brexit.

Mas neste momento, os britânicos exigem conhecer a posição do partido trabalhista. Nas últimas 24 horas a moção relativa ao brexit colocada pelo partido ao voto dos membros no congresso está a gerar controvérsia. Foram precisas cerca de 5-6 horas no domingo para concluir o texto desta moção, que se refere à aprovação de um segundo referendo na eventualidade de um acordo concluído pelo governo de Theresa May não ser aprovado no parlamento.

Depois de discussão acesa entre membros do partido, sindicatos e membros do governo-sombra, o partido concordou no domingo que na eventualidade de um segundo referendo, todas as opções, incluíndo a da permanência na União Europeia, deverão ser objeto do referendo.

Mas ontem, o ministro-sombra das Finanças e número dois do partido trabalhista John McDonnell afirmou que a opção da permanência na União Europeia não deve ser íncluida num eventual segundo referendo pois a saída já foi decidida no primeiro, em oposição directa ao ministro-sombra para o brexit Sir Keir Starmer.

Mais tarde, ao fim da noite, a posição de John McDonnell inverteu-se e assim o partido trabalhista decidirá mais uma vez hoje se aprova ou não um segundo referendo que incluí a opção da permanência na União Europeia.

No entanto, John McDonell e o líder do partido trabalhista Jeremy Corbin frisaram que, no caso da primeira-ministra britânica não conseguir aprovação no parlamento para a sua proposta de brexit, preferem acima de tudo a opção de eleições antecipadas.