Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

O lóbi pró-carvão "sabe influenciar os políticos"

O lóbi pró-carvão "sabe influenciar os políticos"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os protestos contra a extração de carvão na floresta alemã de Hambach ilustram um dos maiores dilemas do mundo atual. A sociedade deve apostar na proteção do ambiente com políticas inovadoras ou fazer apenas mudanças ligeiras, mantendo o sistema económico atual que desperdiça recursos e danifica o nosso meio ambiente?

A euronews falou com Claudia Kemfert, especialista em questões ambientais e energéticas do Instituto Alemão para a Investigação Económica.

euronews: "O governo alemão nomeou uma comissão para planear o abandono do carvão mas na nossa reportagem vemos que há planos para expandir uma enorme mina de lenhite. O governo leva a sério o abandono do carvão?"

Claudia Kemfert: "O governo parece levar a sério o abandono da exploração do carvão porque quer atingir os objetivos climáticos para 2020 e 2030, mas enfrenta constrangimentos. O lóbi do carvão na Alemanha é extremamente poderoso. O governo esperou demasiado tempo para ter um plano concreto para o fim do carvão e o resultado está à vista. Temos travado grandes batalhas para definir quando e como vamos fechar as centrais de carvão".

euronews: "Falemos do lóbi pró-carvão, que diz ser muito poderoso. Influencia políticos por exemplo?"

Claudia Kemfert: "É um lóbi muito forte que sabe influenciar os políticos. A exploração do carvão é muito antiga na alemanha e esse lobi tem ligações muito fortes com o partido social democrata e com os sindicatos que querem proteger os empregos no domínio do carvão".

euronews: "Mas há menos empregos no setor do carvão do que na área das energias renováveis".

Claudia Kemfert: "Sim, há mais emprego na área energias renováveis. Há vinte mil empregos no setor do carvão e 400 mil na área das renováveis".

euronews:"A comissão do governo que planeia o fim do carvão deverá anunciar uma data no final do ano. Qual será?

Claudia Kemfert: "Podemos encerrar as centrais de carvão rapidamente se as substituirmos pelas energias renováveis. É preciso fazer mais para aumentar a parte da energia renovável. É o primeiro ponto. Neste momento, já podemos encerrar centrais a carvão porque estamos a produzir mais eletricidade do que é necessário. Podemos reduzir de forma faseada a parte do carvão na produção de eletricidade até 2030, no máximo e substituí-la por renovaveis mas precisamos um pouco mais de tempo para isso"

euronews: "A Alemanha prevê o abandono da produção nuclear em 2022 e quer sair do carvão. É realista realizar os dois projetos ao mesmo tempo?

Claudia Kemfert: "Não é ao mesmo tempo. É um depois do outro. Vamos sair do nuclear de forma faseada até 2022 e depois vamos abandonar gradualmente o carvão. Hoje 40% da eletricidade é produzida a partir do carvão. a redução será gradual até 2030. É um objetivo realista se aumentarmos drasticamente a parte das energias renováveis".

euronews: "Qual é a situação da Alemanha em relação a outros países europeus em termos de consumo e produção de carvão. É o mau aluno?"

Claudia Kemfert: "Na Alemanha, o carvão é muito utilizado para produzir energia, usamos em particular a lenhite, que aumenta grandemente as nossas emissões de CO2 em relação aos outros países, usamos muito carvão. Temos de reduzir esse uso porque queremos uma transição energética com mais energias renováveis e o carvão não se inclui nessa categoria. Temos de fazer mais e melhor na Europa e levar as coisas a sério."

euronews: "Como explica que a Alemanha seja vista com um país amigo do ambiente quando na verdade consome e produz muito carvão? É o resultado do green-washing, o chamado banho verde?"

Claudia Kemfert: "É uma questão importante e temos de lidar com esse paradoxo porque temos de reduzir o uso do carvão e queremos continuar a ser vistos pelo resto do mundo como um país verde. E temos de dar um primeiro para não perdermos a nossa credibilidade".