Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Macedónia do Norte: 91% dizem sim em referendo à mudança de nome

Macedónia do Norte: 91% dizem sim em referendo à mudança de nome
Tamanho do texto Aa Aa

No referendo de domingo sobre a mudança do nome da Antiga República Jugoslava da Macedónia, 91% dos eleitores votaram a favor mas apenas 36,5% participou no referendo.

Apesar da afluência às urnas ter sido baixa, a União Europeia considera o referendo à mudança de nome um sucesso. A primeira reação foi a de Johannes Hahn, comissário responsável pela política europeia de vizinhança e negociações de alargamento, que escreveu no Twitter, "o resultado demonstra o largo suporte a favor do acordo sobre a mudança de nome e envia um sinal claro para o avanço das negociações com vista à adesão à União Europeia da Antiga República Jugoslava da Macedónia."

O secretário-geral da NATO-Organização do Tratado do Atlântico Norte Jens Stoltenberg expressou também a sua satisfação e encorajou os líderes do país "a aproveitarem esta oportunidade histórica."

Estas duas reações são importantes. Um dos grandes incentivos para a mudança do nome do país era a possibilidade da adesão da Antiga República Jugoslava da Macedónia à União Europeia e à NATO-Organização do Tratado do Atlântico Norte e nos últimos meses sentiu-se um forte apoio de Bruxelas através de visitas ao mais alto nível ao país para a mudança do nome.

O objetivo do apoio de Bruxelas foi não só o de inserir o país na família europeia de nações mas também o de reforçar a sua influência nos Balcãs, uma região de grande importância estratégica geo-política, já que a União Europeia não quer os Balcãs debaixo da influência da Rússia.

Nos próximos dias, a atenção irá recaír na votação a ter lugar no parlamento da Antiga República Jugoslava da Macedónia . O partido social-democrata está perto de conseguir os votos necessários para a maioria qualificada de dois-terços para obter a aprovação da mudança do nome.

Assim, prevê-se que o partido maioritário no parlamento europeu, Partido Popular Europeu, exerça agora pressão no principal partido da oposição do país, a aliança nationalista VMRO- DPMNE (Organização Revolucionária Interna da Macedónia- Partido Democrática para a Unidade Nacional Macedónia) para a aprovação do novo nome.

No entanto, segundo a Constituição do país, o resultado do referendo só é válido se reunir 50% do eleitorado, por isso o Governo terá uma tarefa difícil em convencer o parlamento a aprovar a emenda constitucional, para mudar o nome do país.

O referendo foi efectuado na sequência do acordo assinado em junho entre os ministros dos Negócios Estrangeiros macedónio e grego, Nikola Dimitrov e Nikos Kotzias, para que se utilize o nome "Macedónia do Norte."

A concretização do acordo põe fim a uma disputa relativa à utilização do nome “Macedónia” pelo país desde que este se tornou independente da Jugoslávia em 1991. Ao fazê-lo abre também caminho para a integração do país na UE e na NATO, até hoje impedida pela Grécia, que receia as pretensões territoriais do país vizinho sobre a região homónima do norte da Grécia.