Última hora

Última hora

Confrontos entre independentistas e polícia agitam Catalunha

Em leitura:

Confrontos entre independentistas e polícia agitam Catalunha

Confrontos entre independentistas e polícia agitam Catalunha
Tamanho do texto Aa Aa

Momentos de tensão e violência marcaram o primeiro aniversário do referendo unilateral para a independência da Catalunha.

A polícia regional catalã, conhecida como Mossos d'Esquadra, foi obrigada a fazer várias cargas sobre centenas de manifestantes que se concentraram junto ao parlamento catalão e à sede da Polícia Nacional em Barcelona.

Com o uso de equipamentos antimotim e balas de borracha, as autoridades acabaram por conseguir dispersar os radicais independentistas que queriam invadir o parlamento.

Os confrontos deixaram 32 agentes feridos, além de dezenas de manifestantes, que tentaram quebrar as barreiras de segurança e queimaram bandeiras de Espanha durante o protesto.

Se há um ano, os confrontos haviam sido com a Polícia nacional, desta vez foi a própria força catalã a intervir para conter os excessos da manifestação.

A violência foi já condenada por Carles Puigdemont. O ex-presidente do governo regional da Catalunha e principal rosto do projeto independentista afirmou que "se os manifestantes vão encapuzados, então não são verdadeiramente partidários do referendo de 1 de outubro" de 2017.

Este foi o culminar de um dia agitado em Barcelona, depois de milhares de estudantes se terem manifestado de tarde no centro da cidade a exigir a validação do 'Sim' no referendo e de alguns terem acusado o atual executivo catalão, presidido por Quim Torra, de atraiçoar o desejo independentista ao não forçar a saída unilateral da Catalunha.

Os estudantes reclamaram também pelo regresso dos exilados e a liberdade para os presos políticos, em alusão aos nove dirigentes que continuam detidos pelas autoridades espanholas e que aguardam julgamento. Em causa estão delitos de sedição, rebelião e peculato.

Os independentistas exigem ainda um referendo regional sobre a independência da Catalunha, em moldes semelhantes aos que foram realizados no Quebeque (Canadá) ou na Escócia (Reino Unido). No entanto, a Constituição de Espanha apenas permite uma consulta eleitoral que ponha em causa a unidade do país se esta for realizada a nível nacional.

O governo regional então liderado por Carles Puigdemont, apoiado desde 2015 por uma maioria parlamentar de partidos separatistas, organizou e realizou um referendo em 01 de outubro de 2017, que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol.

O processo de independência foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma. As eleições regionais, que se realizaram em 21 de dezembro último, voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas.